Notícias

Empresa cobre geleira com mantas brancas para retardar derretimento

Compartilhe:     |  13 de julho de 2020

Todo verão, a geleira Presena no norte da Itália é protegida do sol com lonas imensas.

Uma lona ampla se desenrola, ganhando velocidade enquanto segue geleira abaixo sob a neve cintilante. O verão chegou e o gelo alpino está sendo protegido do aquecimento global.

Localizada no norte da Itália, a geleira Presena perdeu mais de um terço de seu volume desde 1993.

Quando a temporada de ski termina e os teleféricos encerram suas atividades, conservacionistas correm para tentar conter o derretimento da geleira, utilizando lonas brancas, que refletem a luz solar.

“Essa área está encolhendo continuamente, então nós cobrimos o máximo possível”, explica Davide Panizza, 34, diretor da Carosello-Tonale, empresa que realiza este trabalho.

De 30.000mde área coberta no início do projeto em 2008, hoje o time posiciona 100.000m2 de lonas. Tudo isso por iniciativa própria, sem apoio externo e sem alarde.

“A cobertura é uma manta geotêxtil que reflete a luz solar, mantendo a temperatura interna menor do que a externa; preservando, assim, o máximo de neve possível”, disse Davide à AFP.

Na fronteira entre a Lombardia e as regiões de Trentino Alto Adige, trabalhadores desenrolam as lonas em longas faixas de neve, a uma altitude de 2.700 a 3.000m.

Sob um céu azul cristalino, a equipe se movimenta metodicamente pela montanha, para esticar as lonas e costurá-las umas nas outras, garantindo assim que nenhuma corrente de ar quente entre por baixo. Sacos de areia, por sua vez, atuam como pesos contra o vento.

Uma vez instaladas, as lonas, que medem 70m x 5m, logo se fundem com a neve, tornando-se praticamente imperceptíveis.

“Há sistemas para cobrir geleiras similares ao nosso na Áustria, mas a superfície a ser coberta é muito menor”, diz Panizza.

O material produzido na Áustria custa até 400 euros (450 dólares) cada, e são necessárias seis semanas para a instalação – e mais seis para retirá-las antes do inverno chegar.

Franco del Pero, 48, lidera a operação e diz que melhorias tecnológicas significam lonas mais modernas, que protegem melhor do que versões anteriores.

“Quando removemos a cobertura em Setembro e constatamos que fizeram seu trabalho, nos sentimos orgulhosos”, diz ele.



Fonte: Anda - Carolina Felicissimo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Doação de sangue em animais: como funciona e os requisitos para um animal ser doador

Leia Mais