Notícias

Empresárias montam salão de beleza sustentável para minimizar impacto no meio ambiente

Compartilhe:     |  8 de março de 2020

Mãe e filha, donas de um salão de beleza, decidiram apostar na sustentabilidade total do negócio. Todo salão é muito poluente, mas elas mostram que é possível descartar todos os resíduos de maneira responsável.

O que move o mundo da beleza pode deixar a natureza mais suja. Coloração para cabelo e esmalte para as unhas, por exemplo, se transformam em resíduos poluentes.

Ruchelle Crepaldi é sócia no salão de beleza e diz que começou a pensar como poderia descartar e minimizar o impacto da empresa no meio ambiente. A preocupação dela começou em 2014 e aumentou com a ajuda do empresário Márcio Mattana, que cuida da gestão de resíduos gerados no mercado da beleza.

“São resíduos classificados como perigosos. O conceito da empresa é um trabalho sócio ambiental e educacional. A ideia é fazer com que os profissionais desses salões entendam os riscos que esses materiais geram sendo destinados de forma inadequada”, explica Márcio.

Para ajudar o meio ambiente, Ruchelle fez várias mudanças no salão: “Antes, a coloração, o pó descolorante e tudo o que sobrava na cumbuca era descartado no lavatório e ia pra rede de esgoto comum. A gente poluía ainda mais. Hoje, a gente coloca em um recipiente, um coletor separado, pra descarte correto desse material”.

Todo o cabelo cortado passa por esse cano de PVC e é concentrado em um único coletor. Dali, ele vai ser transformado em um novo produto. “A ideia é deixar o cabelo em micropartículas pra fazer dele uma manta de contenção pra vazamento de petróleo no mar”, explica Ruchelle.

Márcio explica como funciona essa ação: “Vamos criar um equipamento que vai micronizar esse cabelo e vamos criar essa manta pra acidentes ambientais aqui no Brasil”.

“A gente tem uma cisterna há algum tempo e ela serve pra coletar a água da chuva e a gente usa essa água pra limpeza geral do salão”, conta Ruchelle.

Até o resíduo orgânico, dos restos de comida da equipe, agora também tem um destino mais limpo, que é uma composteira própria do salão.

As clientes viraram aliadas do projeto e foi criado um programa de recompensas: as embalagens usadas viram serviços. “As embalagens que você não sabe o que fazer, que você pensa: ‘o que eu faço com isso?’. Essa você pode trazer”, explica a empresária Rafaella Crepaldi.

O passo seguinte foi espalhar pra vizinhança a importância do projeto. O bartender Rogério Tarantino trabalha em um bar e leva o lixo para o ecoponto do salão, aberto a todos os comerciantes do bairro: “Um resíduo de estabelecimento comercial geralmente é diferente de uma residência, que tem outro fluxo de lixo. Por isso, eu acho que é importante todos os estabelecimentos terem essa prática”.

O salão tem um bom resultado: 98% de todo o lixo são descartados de forma limpa e sustentável. Ruchelle agora se dedica e levar o exemplo deles pra frente: “Isso não pode ser uma moeda de marketing. Isso é conhecimento e um salão que tem esse conhecimento tem que repassar para os outros”.

Quarenta e oito salões de beleza já fazem parte do projeto da empresa de coleta de resíduos do setor. Só no ano passado, foram recolhidas 39 toneladas de resíduos.

Salão de Beleza NaBahia
Rua Bahia, 778 -Higienópolis
São Paulo/SP – CEP:
Telefone: 11 3662-1774
Email: [email protected]
www.nabahia.com

Dinâmica Soluções Ambientais
Rua Álvares Cabral, 1530- Serraria
Diadema /SP – CEP: 09980-160
Telefone: (11) 4056 – 5999
www.dinamicambiental.com.br/

Little Cronin
Rua Goiás, 46a – Higienópolis
São Paulo/SP



Fonte: PEGN



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Doação de sangue em animais: como funciona e os requisitos para um animal ser doador

Leia Mais