Notícias

Empresas anunciam ambiciosos planos para reduzir o aumento da temperatura global

Compartilhe:     |  24 de setembro de 2019

Oitenta e sete empresas – somando um mercado de mais de 2,3 trilhões de dólares e emissões diretas anuais equivalentes a 73 usinas de energia de carvão – estão tomando ações para alinhar seus negócios com o que os cientistas avaliam ser necessário para limitar os piores impactos das mudanças climáticas.

Respondendo a um chamado feito em junho por um grupo de líderes empresariais, da sociedade civil e da Organização das Nações Unidas (ONU), estas companhias coletivamente representam mais de 4,2 milhões de trabalhadores de 29 setores, baseadas em 27 países. Elas se comprometeram a estabelecer objetivos de clima em suas operações e cadeias de valores alinhadas, para limitar o aumento da temperatura global a 1,5 graus Celsius e alcançar emissões zero de carbono até no máximo 2050.

Desde que as primeiras empresas se comprometeram à redução de 1,5º C, em julho, o número de companhias mais do que triplicou. Entre elas estão ASICS, Burberry, Danone, Deutsche Telekom, EDP – Energias de Portugal, Electrolux, Ericsson, Grupo Malwee, Guess, IKEA, Klabin, L’Oréal, Nestlé, Nokia, Scania, Sodexo e Concha y Toro.

A informação é divulgada na véspera da Cúpula da Acão do Clima, organizada pelo secretário-geral da ONU, António Gutteres, em Nova Iorque. A cúpula é uma oportunidade para que governos, empresas e outras partes interessadas apresentem planos claros de ação alinhados ao recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que alertou para as catastróficas consequências caso o aquecimento global ultrapasse 1,5º C.

“É encorajador ver os primeiros movimentos do setor privado se alinhando com a sociedade civil e governos ambiciosos em apoiar um futuro de 1,5º C”, afirmou Guterres. “Precisamos que mais empresas se unam ao movimento, enviando um sinal claro de que os mercados estão mudando”.

O secretário-geral desafiou governos a comparecer à Cúpula do Clima preparados para anunciar planos nacionais renovados e objetivos de longo prazo próximos ao zero. Demonstrando o apoio do setor privado para estes esforços, as empresas estão agora liderando a criação do ciclo de retorno positivo, conhecido como “ciclo de ambição” – com políticas de governo e a liderança do setor privado apoiando uns aos outros e, juntos, levar a ação pelo clima para o próximo patamar.

As empresas estão comprometidas em alcançar metas baseadas em dados científicos, através da iniciativa Baseada em Metas da Ciência (SBTi, na sigla em inglês), que independentemente avalia a redução de emissões corporativas, em linha com o que os cientistas dizem ser necessário para alcançar os objetivos do Acordo de Paris.

Das 87 empresas, as seguintes já alcançaram a redução de 1,5º C, cobrindo a emissão de gases de efeito estufa em suas operações: AstraZeneca, BT, Burberry Limited, Deutsche Telekom AG, Dexus, Elopak, Hewlett Packard Enterprise, Intuit, Levi Strauss & Co., L’Oréal, Schneider Electric, SAP, Signify, Sodexo, The Co-operative Group e Unilever. Todas as empresas signatárias assumiram este passo ambicioso ao se comprometer a aplicar na cadeia de valores, em geral  responsáveis por 5,5 emissões maiores do que nas operações.

Lise Kingo, diretor executivo do Pacto Global, afirmou que estas estratégias corporativas são o tipo de transformação necessária para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para as pessoas e o planeta.

“Aquecimento acima de 1,5º C é uma calamidade que simplesmente não podemos arriscar”, afirmou Andrew Steer, membro da diretoria do SBTi e presidente do World Resources Institute. “Objetivos baseados na ciência são um modelo para que as empresas façam contribuições claras para alcançar os objetivos do Acordo de Paris, mas precisamos de todos a bordo. Não já nenhum minuto a perder”, afirmou Steer.

Veja a lista complete das empresas aqui.

O Pacto Global é uma chamada para as empresas alinharem suas estratégias e operações a 10 princípios universais nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção e desenvolverem ações que contribuam para o enfrentamento dos desafios da sociedade. É hoje a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, com mais de 13 mil membros em 80 redes locais, alcançando 160 países.

iniciativa Objetivos Baseados na Ciência (SBTi) mobiliza empresas a estabelecer objetivos baseados na ciência e aumentar a vantagem competitiva na transição para a uma economia de baixo carbono. É uma colaboração entre CDP, Pacto Global da ONU, World Resources Institute e World Wide Fund for Nature (WWF) e um dos comprometimentos da Coalisão We Mean Business. A iniciativa define e promove as melhores práticas baseadas em objetivos científicos, oferece recursos e orientação para reduzir as barreiras de adoção e independentemente avalia e aprova objetivos das empresas.

We Mean Business é uma coalizão global de organizações não lucrativas que trabalham nos negócios mais influentes do mundo para agir contra as mudanças climáticas. A coalisão reúne sete organizações que juntas catalisam ação para ambição política e aceleração da transição para a economia de zero carbono – BSR, CDP, Ceres, The B Team, The Climate Group, The Prince of Wales’s Corporate Leaders Group e World Business Council for Sustainable Development.

Contatos
Pacto Global da ONU
Matthew Hunter: +1 (631) 829-4275
Leila Puutio: +1 (646) 465-3833
Email: [email protected]

SBTi –Iniciativa Objetivos Baseados na Ciência (SBTi)
Yelena Akopian: +1 (818) 312-6131
Email: [email protected]

Coalisão We Mean Business
Kristen King: +1 (904) 608-1745
Email: [email protected]



Fonte: ONUBr



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Dia das crianças: não dê animal de presente!

Leia Mais