Notícias

Empresas buscam ‘carne verde’, para não maltratar boi nem desmatar Amazônia

Compartilhe:     |  5 de outubro de 2016

A carne produzida no Pantanal ou na Amazônia não precisa ser, necessariamente, um problema ambiental. Nessas áreas, começa a ganhar espaço a produção de “carne verde” ou sustentável, agora com o apoio de grandes redes, como Carrefour, Walmart e McDonald’s.

O McDonald’s, por exemplo, anunciou que vai comprar carne proveniente da pecuária sustentável da floresta Amazônica. O Grupo Carrefour Brasil lançou um sistema para monitorar se seus fornecedores de carne bovina cumprem critérios de sustentabilidade. O Walmart, por sua vez, começou a vender em 20 lojas de Brasília e São Paulo a carne sustentável Rebanho Xingu, produzida em São Felix do Xingu, no Pará.

O que é a carne verde?

A “carne verde” vem de bois e vacas criados de uma forma diferente do convencional, que envolve proteção ao ambiente e preocupação com o bem-estar do animal, desde o nascimento do novilho até o abate. Em geral, os animais ficam soltos e se alimentam em áreas de pastagens nativas. Na pecuária convencional, os animais ficam confinados e se alimentam a base de grãos.

Para ser considerada sustentável, a produção precisa seguir três critérios. segundo a pesquisadora da Embrapa Pantanal (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Sandra Santos:

Muda o sabor?

Com forte presença no mercado de frangos orgânicos, a empresa Korin é uma das que produzem e vendem carne bovina sustentável. A carne usada é das fêmeas, as vacas, e a alimentação dos animais vem de pastos nativos do Pantanal, sem agrotóxicos ou adição de ureia para acelerar a engorda, diz o diretor-superintendente da companhia, Reginaldo Morikawa.

Segundo ele, isso muda o sabor da carne: a carne sustentável tem um paladar de caça e um sangue mais leve. Na carne tradicional predomina o gosto de milho, e a maciez é prejudicada, diz ele.

Preço é mais alto?

Essa preocupação puxa o preço para cima, sim, segundo Morikawa, da Korin. Quando se compara a carnes vendidas nos supermercados sem ter a marca especificada, a diferença no preço chega a 90%, diz ele. Comparada a cortes selecionados, de marcas consideradas premium, o produto é cerca de 30% mais caro.

Além de frangos orgânicos, empresa Korin vende carne bovina sustentável

No caso do Walmart, a ideia é que a carne sustentável custe o mesmo que a convencional, diz o diretor de Sustentabilidade, Luiz Herrisson. “Se o produto for mais caro, vai ser difícil ter aceitação e boas vendas, principalmente em um momento de crise econômica. Tem que custar o mesmo que o outro, ser competitivo.”

Para Leonardo Lima, diretor de sustentabilidade da Arcos Dorados, que administra o McDonalds, não haverá repasses ao consumidor pelo uso da pecuária sustentável. “Não estamos prevendo gastos maiores e não pretendemos repassar ao consumidor.”

McDonald’s: ‘tendência de mercado’

O McDonald’s anunciou que vai comprar, por ano, 250 toneladas de carne proveniente da pecuária sustentável da floresta Amazônica.

O primeiro lote virá do município de Alta Floresta, no norte do Mato Grosso. Nesse processo, o animal precisa ser bem tratado e as áreas de produção só podem ter sido devastadas antes de 2008. Quem monitora é o ICV (Instituto Centro de Vida). A JBS faz a compra e o processamento da carne para o McDonald’s.

O investimento ainda é pequeno se comparado às 30 mil toneladas de carne compradas anualmente pela rede. Segundo o diretor de Sustentabilidade, a rede de fast food pensa em expansão, mas ainda não é possível prever quando isso acontecerá, pois depende da adesão de novos produtores. “É uma tendência do mercado como um todo. É uma prática de agora para refletir no futuro.”

Francisco Beduschi Neto, coordenador Iniciativa de Pecuária Sustentável do ICV, explicou mercado no Brasil e no exterior. “Ao produzir uma solução dessa, é possível melhorar a renda do produtor, que não precisará desmatar mais para aumentar sua produção, conservar o meio ambiente e atender às demandas do mercado”, diz.

Walmart: monitoramento via satélite

Carne sustentável produzida em São Felix do Xingu (PA) é vendida em lojas do Walmart

A carne sustentável vendida em algumas lojas do Walmart é produzida no Pará pela Marfrig, em parceira com a ONG “The Nature Conservancy”.

Com o uso de satélites, o Walmart consegue monitorar 100% da produção para evitar desmatamento, uso de terras indígenas ou áreas de conservação e emprego de trabalho escravo, além de garantir o bem-estar animal e trabalho para os pequenos produtores, diz o diretor de Sustentabilidade da rede. A expectativa, diz ele, é que o monitoramento seja estendido para outras regiões do país até o final de 2017.

Carrefour: fiscalização dos fornecedores

O Grupo Carrefour Brasil também lançou um sistema de monitoramento em parceria com os 22 fornecedores de carne bovina. A ideia é usar os dados para checar se as fazendas têm alguma prática de produção que envolva áreas de desmatamento ou embargadas, unidades de conservação, terras indígenas ou mesmo uso de trabalho escravo.

Boi da raça wagyu tem uma das carnes mais caras do mundo12 fotos

O kobe beef é uma carne proveniente de bois da raça wagyu, de origem japonesa, que também existe no Brasil. É uma das mais caras do mundo, chegando a valer mais de US$ 1.000 o quilo no Japão. Este prato, preparado no restaurante Rubaiyat, em São Paulo, é o Baby Beef Kobe, que custa R$ 222, com 400 gramas. Clique nas fotos acima para saber mais sobre a carne VEJA MAIS > Imagem: Restaurante Rubaiyat/Divulgação


Fonte: Uol



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais