Notícias

Energia maremotriz produzida pelas marés pode ser uma alternativa para o futuro

Compartilhe:     |  15 de maio de 2021

Energia das marés, também chamada de energia maremotriz, é aquela proveniente do movimento das marés. Dois tipos de energia das marés podem ser obtidos: energia cinética das correntes marítimas e energia potencial pela diferença de altura entre as marés alta e baixa. Para que ela seja convertida em eletricidade, é necessária a construção de barragens, eclusas e unidades geradoras de energia.

Embora seja uma fonte de energia renovável e limpa e possa substituir o uso de combustíveis fósseis, a energia das marés ainda é pouco utilizada. Isso porque, para ser eficiente e economicamente viável, a costa precisa ter características específicas, como marés maiores que três metros. Além disso, seu preço final é alto, tornando a energia das marés não atrativa se comparada com outras fontes.

Surgimento das energias ecológicas

A Primeira Revolução Industrial, além de gerar transformações relacionadas ao processo de trabalho e produção, aumentou o consumo e a dependência de diferentes fontes energéticas para as mais variadas atividades antrópicas. Inicialmente, o carvão – tanto vegetal quanto mineral – era a principal fonte energética utilizada no mundo. Posteriormente, outras fontes passaram a compor a matriz energética do planeta, como o petróleo, a eletricidade e a biomassa.

O petróleo, o carvão mineral e o gás natural, também denominados combustíveis fósseis devido à sua formação decorrente da sedimentação e decomposição de matéria orgânica, correspondem às principais fontes energéticas utilizadas no mundo, representando 80% da matriz energética global.

A elevada dependência mundial dos combustíveis fósseis traz diversos desafios para o futuro. Em primeiro lugar, se tratam de fontes energéticas finitas, já que o seu ciclo de produção envolve longas eras geológicas. Além disso, são fontes que produzem gases do efeito estufa, como o CO2, que agravam as mudanças climáticas e suas consequências futuras.

Esses desafios têm resultado em uma maior procura por fontes energéticas mais limpas. Diversos países, como a Alemanha, Suécia, Reino Unido e até mesmo nações reconhecidas pelos altos índices de emissão de poluentes, como a China e os Estados Unidos, têm elevado seus investimentos em busca de fontes alternativas de energia.

Destacam-se como fontes alternativas e renováveis as hidrelétricas, maremotriz, geotérmica, solar e eólica, das quais as duas últimas são as que possuem maior potencial de crescimento, segundo as previsões atuais.

Sistema de geração de energia

O sistema de geração de eletricidade é análogo ao de uma usina hidrelétrica. As barragens são construídas próximas ao mar, e os diques atuam na captação de água durante a alta maré. A água é armazenada e, posteriormente, liberada durante a baixa maré, passando por uma turbina que gera energia elétrica.

A força das marés tem sido aproveitada desde o século XI, quando franceses e ingleses usavam esse recurso para a movimentação de pequenos moinhos. Entretanto, o primeiro grande projeto para a geração de eletricidade por meio das marés foi realizado em 1967. Nesse ano, franceses construíram uma barragem de 710 metros no Rio Rance, aproveitando o potencial energético das marés.

Como dito anteriormente, a energia das marés pode ser uma alternativa ao uso de combustíveis fósseis, já que é uma fonte de energia renovável e limpa. No entanto, vale ressaltar que poucas localidades apresentam características propícias para a obtenção desse tipo de energia. Outros fatores agravantes são os altos investimentos e o baixo aproveitamento energético.

Além disso, um impacto negativo da implantação de grandes empreendimentos é a mudança no modo de vida das populações que residem na região, ou no entorno do local, onde será implantada a usina. É importante destacar que essas comunidades muitas vezes são grupos humanos identificados como populações tradicionais (povos indígenas, quilombolas, comunidades ribeirinhas amazônicas e outros), cuja sobrevivência depende da utilização dos recursos provenientes do local no qual vivem, e que possuem vínculos com o território de ordem cultural.

Ademais, os rios tendem a possuir um equilíbrio dinâmico entre descarga, velocidade média da água, carga de sedimentos e morfologia do leito. A construção de reservatórios afeta esse equilíbrio e, consequentemente, causa mudanças de ordem hidrológica e sedimentar, não apenas no local de represamento, mas também na área do entorno e no leito abaixo da represa.

Principais locais

Os locais que apresentam grande potencial para a produção de energia das marés são a baía de Fundy, no Canadá, e a baía Mont-Saint-Michel, na França, que possuem cerca de 15 metros de desnível entre a maré alta e a baixa. No Brasil, pode-se citar o estuário do Rio Bacanga, em São Luís, e a ilha de Macapá, no Amapá, com desníveis de aproximadamente sete e 11 metros, respectivamente.



Fonte: Ecycle



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Frio: veterinários indicam cuidados com pets

Leia Mais