Notícias

Entenda por que a poluição dos oceanos é um perigo para a saúde humana

Compartilhe:     |  14 de fevereiro de 2021

A poluição dos oceanos é generalizada, está cada vez pior e representa um perigo claro e presente para a saúde e o bem-estar humano. Mas a extensão desse perigo não foi amplamente compreendida – até agora. Nosso estudo recente fornece a primeira avaliação abrangente dos impactos da poluição dos oceanos na saúde humana.

A poluição dos oceanos é uma mistura complexa de metais tóxicos, plásticos, produtos químicos artificiais, petróleo, resíduos urbanos e industriais, pesticidas, fertilizantes, produtos químicos farmacêuticos, escoamento agrícola e esgoto. Mais de 80% surge de fontes terrestres e chega aos oceanos através de rios, pelo escoamento, pela deposição da atmosfera – onde os poluentes aéreos são arrastados para o oceano pela chuva e neve – e pelo despejo direto, como poluição de estações de tratamento de águas residuais e resíduos descartados. A poluição dos oceanos é mais pesada perto das costas e mais concentrada ao longo da área costeira de países de baixa renda e de renda média.

A poluição dos oceanos também pode ser encontrada muito além das jurisdições nacionais, em mar aberto, nas mais profundas fossas oceânicas e nas margens de ilhas remotas. A poluição dos oceanos não tem fronteiras

O “iceberg” de poluição por Will Stahl-Timmins do Boston College em parceria com o Centre Scientifique de Monaco, fornecido pelo autor | The Conversation 

A poluição oceânica mais perigosa

O lixo plástico é o componente mais visível da poluição dos oceanos. Mais de dez milhões de toneladas de plástico chegam aos mares todos os anos. A maioria deste montante se quebra em partículas microplásticas e se acumula em sedimentos tanto costeiros quando nas profundezas.
Algumas partes maiores flutuam na água por décadas terminando como concentrações maciças onde as correntes convergem e circulam. A chamada “mancha de lixo” do Oceano Pacífico é um exemplo bem conhecido.

Os microplásticos contêm múltiplos produtos químicos tóxicos que são adicionados aos plásticos para torná-los flexíveis, coloridos, impermeáveis ou resistentes a chamas. Esta gama de químicos inclui substâncias cancerígenas, neurotoxinas e disruptores endócrinos – produtos químicos que interferem com hormônios, e podem causar câncer, defeitos congênitos e redução da fertilidade.

Essas partículas carregadas de químicos entram na cadeia alimentar e se acumulam em peixes e mariscos. Quando os humanos comem frutos do mar contaminados com esses materiais, ingerimos milhões de partículas microplásticas e os muitos produtos químicos que elas carregam. Embora ainda haja debate sobre os danos causados por microplásticos aos seres humanos, a exposição a esses produtos químicos aumenta o risco de todas as doenças que eles causam. Praticamente todos nós temos microplásticos em nossos corpos hoje.

Mercúrio é encontrado nos oceanos por toda parte, e o principal culpado por isso é a queima de carvão em casas e indústrias. Todo o carvão contém mercúrio, e quando queima, o mercúrio vaporiza, entra na atmosfera e eventualmente chega no mar. A mineração de ouro é outra fonte, pois o mercúrio é usado para dissolver o ouro do minério.

Também é possível que altos níveis de mercúrio se acumulem em peixes predadores, como atum e peixe-espada, que por sua vez são comidos por nós. Peixes contaminados podem ser especialmente perigosos se comidos por mulheres grávidas. A exposição de bebês ao mercúrio no útero pode danificar o desenvolvimento do cérebro, reduzindo o QI e aumentando os riscos para autismo, TDAH e outros distúrbios de aprendizagem. A exposição de adulto ao mercúrio aumenta os riscos de doenças cardíacas e demência.

Poluentes derivados do petróleo provenientes de derramamentos de óleo ameaçam os microrganismos marinhos que produzem grande parte do oxigênio da Terra reduzindo sua capacidade de fotossíntese. Esses microrganismos benéficos usam energia solar para converter CO² atmosférico em oxigênio e também são afetados por poluentes orgânicos e outros produtos químicos. Quando há um grande derramamento de óleo, o impacto pode ser enorme.

A poluição costeira de resíduos industriais, escoamento agrícola, pesticidas e esgoto aumenta a frequência do surgimento de algas nocivas, conhecidas como marés vermelhas, marés marrons e marés verdes. Essas algas produzem toxinas poderosas como ciguatera e ácido domóico que se acumulam em peixes e mariscos. Quando ingeridas, essas toxinas podem causar demência, amnésia, paralisia e até morte súbita. Quando inalados, podem causar asma.

Microrganismos perigosos surgem a partir de uma combinação de poluição costeira e aquecimento oceânico, o que incentiva sua propagação. Bactérias prejudiciais como a espécie vibrio – encontrada em águas mais quentes e responsáveis pela vibriose, uma doença potencialmente fatal – estão agora aparecendo mais ao norte e causando infecções fatais. Há um alto risco de que a cólera, causada pela víbrio cólerae, possa se espalhar para novas áreas não afetadas anteriormente.

Além disso, os impactos à saúde decorrentes da poluição dos oceanos recaem desproporcionalmente sobre os povos indígenas, comunidades costeiras e populações vulneráveis ao sul do Globo, ressaltando a escala planetária dessa injustiça ambiental

Vontade política e evidência científica

Embora as descobertas trazidas neste relatório sejam alarmantes, a boa notícia é que a poluição dos oceanos, como todas as formas de poluição, pode ser controlada e prevenida. A proibição de plásticos de uso único, além de uma melhor triagem de resíduos sólidos podem conter a poluição em sua fonte, especialmente quanto aos resíduos plásticos, tanto em terra quanto no mar.

Os governos mais sábios restringiram outras formas de poluição implantando estratégias de controle baseadas em leis, políticas, tecnologia e aplicação direcionada destes recursos. Os EUA, por exemplo, reduziram a poluição do ar em 70% desde a aprovação da Lei do Ar Limpo em 1970. Estas regras salvaram milhares de vidas e provaram ser altamente econômicas.

Países ao redor do mundo estão agora aplicando essas mesmas ferramentas para controlar a poluição dos oceanos. O Porto de Boston, em Massachusetts, e o Porto de Victoria, em Hong Kong, foram limpos. Estuários da Baía de Chesapeake, nos EUA, até o Mar Interior de Seto, no Japão, foram recuperados. Alguns recifes de corais foram restaurados, como os da Samoa Americana, onde a vigilância, a proteção e a resposta rápida foram efetivas em relação a várias ameaças de poluição.

Esses casos de sucessos também impulsionaram as economias, aumentaram o turismo, restauraram a pesca e melhoraram a saúde. Eles demonstram que o amplo controle da poluição dos oceanos é viável e seus benefícios durarão séculos. Nosso estudo oferece algumas recomendações claras para prevenir e controlar a poluição dos oceanos, incluindo a transição para uma energia mais limpa, o desenvolvimento de alternativas acessíveis para plásticos à base de combustíveis fósseis, a redução dos despejos de lixo humano, de resíduos agrícolas e industriais e a expansão das Áreas Marinhas Protegidas.

Proteger o planeta é uma preocupação global e nossa responsabilidade coletiva. Líderes que reconhecem a gravidade da poluição dos oceanos, reconhecem seus perigos crescentes, engajam a sociedade civil e tomam ações ousadas e baseadas em evidências para parar a poluição na fonte serão essenciais para prevenir a poluição dos oceanos e proteger nossa própria saúde.



Fonte: Anda - Por Jacqueline McGlade e Philip Landrigan (The Conversation) | Traduzido por Luna Mayra Fraga Cury Freitas



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Veterinária dá dicas para cuidar da saúde dos olhos de animais domésticos

Leia Mais