Notícias

Entenda por que mulheres sofrem mais de enxaqueca que homens

Compartilhe:     |  9 de março de 2019

Para cada homem há três mulheres convivendo com a enxaqueca, segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia. Um número importante, cujas consequências atingem não apenas a saúde das mulheres, mas também suas atividades sociais, familiares e profissionais.

Segundo a neurologista Elza Magalhães, o principal fator para o maior índice de enxaqueca nas mulheres é o hormonal. “Ao longo da vida as mulheres passam por mudanças significativas que fazem seus hormônios oscilarem, como menstruação, gravidez e menopausa, e que embora possam acontecer de forma diferente em cada mulher, em geral essas transformações interferem no limiar de dor e facilitam as crises de dor de cabeça”, explica a neurologista.

O hormônio responsável por estas interferências é o estrogênio, que está ligado à estimulação do sistema nervoso central. E é justamente na menstruação que ele se intensifica.

Embora as oscilações deste hormônio, de forma geral, sejam responsáveis pelo desencadeamento das crises, a médica relata que durante a gravidez pode acontecer de os episódios de enxaqueca diminuírem ou até mesmo cessarem, uma vez que a produção de estrógeno cai para a predominância da progesterona – hormônio que atua como calmante dos estímulos cerebrais. Na fase da amamentação é a prolactina, hormônio produtor do leite, que pode interferir nas crises.

mulher com dor

Crédito: solidcolours/istockEstrogênio é o maior responsável pela enxaqueca

Como cada caso é um caso, a especialista orienta a manutenção do acompanhamento médico especializado, inclusive durante a amamentação. Ela destaca também o fato de as mamães com bebês recém-nascidos dormirem pouco e como a privação de sono é um dos fatores facilitadores de crise, elas podem se intensificar nessa fase. “Como nesse período a mulher tem restrições para a ingestão de medicamentos, é importante que ela seja vista de perto pelo ginecologista e neurologista – sem se esquecer do neonatologista, especialista que consegue avaliar qual medicamento a mãe pode ingerir sem interferir na segurança no bebê”.

O processo hormonal durante a menopausa é semelhante ao da gravidez, em que o organismo passa a produzir menos estrogênio, reduzindo as crises.  Mas se a mulher faz tratamento de reposição hormonal, suas crises podem perpetuar.

Paralelo aos fatores hormonais, Dra. Elza ressalta outro componente importante que tem feito com que as mulheres aumentem as estatísticas da enxaqueca crônica, que é sobrecarga de atividades e maior exposição a situações de estresse e ansiedade, desencadeadores comprovados de dor de cabeça. Não raro, também comem e dormem mal.

Sendo assim, dentre as recomendações para prevenção e até tratamento da enxaqueca, a mudança comportamental aparece como determinante, conforme sugere a neurologista como uma prática a ser realizada regularmente:

• Priorizar o sono com qualidade e obedecer a uma rotina de tempo, com hora para início e término;

• Praticar exercício físico de forma regular;

• Praticar atividades de lazer que proporcionem relaxamento;

• Alimentar-se de forma equilibrada;

• Beber bastante água;

Importante salientar que todas as alternativas acima não substituem a consulta regular com um neurologista, que mediará terapias medicamentosas profiláticas (preventivas) e de contenção das crises.

Dentre as linhas de tratamentos aliadas à medicação prescritas pelo médico e reconhecidas cientificamente já alguns anos, encontra-se a toxina botulínica A, que atua no bloqueio de neurotransmissores ligados ao mecanismo de dor.



Fonte: Catraca Livre



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Projeto de lei ‘Animal não é coisa’ é aprovado pelo Senado

Leia Mais