Notícias

Escolas da Nova Zelândia estão ensinando crianças a substituir carne e laticínios nas refeições

Compartilhe:     |  8 de junho de 2020

Os sistemas escolares da Nova Zelândia estão adotando programas para aconselhar alunos a substituir carnes e laticínios das refeições para ajudar no combate às mudanças climáticas. A iniciativa foi lançada em janeiro para alunos no ensino médio em consonância com um novo currículo escolar que aborda a educação ambiental e o impacto do que consumimos ao meio ambiente.

Dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação apontam que a agricultura animal é responsável por 14,5% de todas as emissões globais de gases de efeito estufa (GEE). Segundo o Ministério do Meio Ambiente da Nova Zelândia, os GEE brutos do país aumentaram 24% entre 1990 e 2018. Em 2018, a Nova Zelândia emitiu 78,9 milhões de toneladas de equivalente de dióxido de carbono.

O Ministério afirma que o setor agrícola foi um dos maiores contribuintes dos GEE do país, representando 48% do total de emissões. O setor de energia ficou em segundo lugar, emitindo 41% das emissões. A pecuária é uma das principais causas da crise climática. Em setembro de 2018, o Programa Ambiental da ONU chamou a carne de “o problema mais urgente do mundo “.

Pixabay

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, concordou. No início deste ano, ela lançou reformas abrangentes para combater as mudanças climáticas no início deste ano. Isso incluiu planos para tornar o país neutro em carbono até 2050 e metas de emissão para o setor agrícola.

Para ajudar a combater o aquecimento global, os sistemas de ensino médio da Nova Zelândia estão incentivando os alunos a passar dias sem carne. Eles querem que os alunos consumam mais alimentos à base de plantas. O novo curso também aponta para reciclar, dirigir menos e comprar produtos de segunda mão ou usados ​​como formas adicionais de reduzir as emissões de gases do efeito estufa no país.

Um estudo recente da Universidade de Otago revelou que uma mudança na população para uma dieta vegetariana estrita pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa do país em até 42%. Segundo o pesquisador Jono Drew, a pecuária também é prejudicial à saúde humana.”Pesquisas internacionais destacaram os benefícios ambientais e de saúde que surgem do consumo de uma dieta rica em alimentos vegetais, como legumes, frutas, grãos integrais e legumes”, disse.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais