Notícias

Escorpião marinho gigante reinava nos mares da Austrália pré-histórica

Compartilhe:     |  10 de julho de 2020

Gigantescos artrópodes extintos podiam chegar a 2,5 metros de comprimento

Vamos voltar no tempo. Antes de a extinção derrubar os dinossauros do seu pilar, antes de a extinção do Permiano-Triássico exterminar 95% de todos os organismos, tivemos a Era Paleozoica.

Durante essa era da história da Terra, entre 541 milhões e 252 milhões de anos atrás, os artrópodes (animais com exoesqueletos, como insetos, crustáceos, escorpiões e caranguejos-ferradura) estavam explorando extremos de tamanho, de pequenos a enormes.

De fato, alguns artrópodes paleozoicos representavam os maiores animais da Terra na época. Se você fosse nadar nos oceanos paleozoicos, poderia ter tido a sorte (ou o azar) de encontrar um dos mais temíveis desses artrópodes extintos: os escorpiões-do-mar, Eurypterida.

Nossa nova pesquisa, publicada na revista “Gondwana Research”, é a coleção mais abrangente de informações sobre essas criaturas fascinantes que antes vagavam pelas águas australianas.

Fóssil de Eurypterus remipes. Esse escorpião marinho de mais de 400 milhões de anos atrás tinha habitualmente menos de 30 centímentros de comprimento, mas acredita-se que parentes seus tenham atingido 2,5 metros de comprimento. Crédito: H. Zell/Wikimedia Commons, CC BY-SA
Visão para contemplar

Embora os Eurypterida parecessem amplamente escorpiões (com uma forma corporal semelhante, embora construída para nadar), eles não eram. Eles eram mais parecidos com os primos dos escorpiões modernos.

Uma parte excepcional da história evolutiva dos escorpiões-do-mar é como eles se encaixam na narrativa do gigantismo paleozoico.

Os escorpiões-do-mar incluem os maiores predadores marinhos que já surgiram no registro fóssil, incluindo uma espécie que se pensa ter mais de 2,5 metros de comprimento, Jaekelopterus rhenaniae. Naquela época, alguns desses gigantes estavam efetivamente no mesmo lugar em sua cadeia alimentar que o grande tubarão-branco moderno.

Esses prováveis ​​nadadores ágeis teriam usado seus grandes membros dianteiros, armados com garras, para agarrar suas presas, que depois esmagariam entre as estruturas parecidas com os dentes das pernas (chamadas espinhos gnatobásicos).

Embora não tenhamos certeza do que exatamente esses animais comiam, é provável que peixes e artrópodes menores estivessem no cardápio. E se os humanos estivessem nadando no mar, talvez nós também!

Tamanho dos maiores escorpiões marinhos extintos em relação a um humano. Crédito: Slate Weasel/Wikimedia Commons. Modificado.
História fascinante (mas obscura)

A Austrália é famosa por sua variedade de animais curiosos, incluindo espécies modernas únicas, como o ornitorrinco. E essa singularidade se estende até o registro fóssil, com os escorpiões-do-mar sendo um exemplo disso.

Mas o registro científico e o estudo dos escorpiões-do-mar australianos têm sido irregulares. O primeiro espécime documentado, publicado em 1899, consistia em uma seção de exoesqueleto fragmentada encontrada em Melbourne.

Antes de nossa nova pesquisa examinar a abrangência do grupo na Austrália, havia cerca de dez registros – e apenas uma outra tentativa de reunir tudo. Como tal, a diversidade e disseminação desses fósseis eram bastante incertas.

Para nós, revisitar esses fósseis surpreendentes resultou em algumas viagens a diferentes museus australianos. Também recebemos amostras da Universidade da Nova Inglaterra (Austrália) para examinar pessoalmente.

Essa jornada de descoberta paleontológica descobriu muitos fósseis de escorpiões-do-mar do que nunca haviam sido observados anteriormente. Como resultado, agora temos evidências de seis possíveis grupos diferentes que existiam na Austrália.

Reunindo esses espécimes em nossa publicação mais recente, ilustramos os Pterygotidae (a família de escorpiões-do-mar que atingiam 2,5 metros de comprimento) dominando o registro fóssil australiano do grupo. Embora isso tenha sido observado antes, a abundância de material de diferentes locais e períodos de tempo, especialmente do estado de Victoria, foi inesperada.

Exemplos de fósseis de escorpião marinho australiano, seus dois grupos e o intervalo de tempo. O azul representa a família Pterygotidae; o laranja, a família Adelophthalmidae
Voltar à fonte

Além de apresentar o maior número de escorpiões do mar australianos, nosso artigo também descreve a falta geral de informações sobre esses animais.

Apesar de haver muito material fragmentado, existe apenas uma amostra (quase) completa, Adelophthalmus waterstoni, medindo apenas 5,7 cm de comprimento.

Pesquisas futuras envolverão revisitar os locais onde essas amostras foram originariamente coletadas, na esperança de encontrar amostras mais completas. Isso não apenas ajudará a documentar melhor as espécies de escorpiões marinhos australianos, como também permitirá uma compreensão mais completa dos ambientes em que viviam.

Por fim, uma coisa é clara: ainda existe muito a descobrir sobre esses titãs que nadaram pelos oceanos pré-históricos da Austrália.

* Russell Dean Christopher Bicknell é pesquisador de pós-doutorado em paleobiologia da Universidade da Nova Inglaterra (Austrália); Patrick Mark Smith é oficial técnico de paleontologia no Museu Australiano. Os autores agradecem a Natalie Schroeder Geoscience Australia por sua ajuda nesse projeto.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.



Fonte: Revista Planeta



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais