Notícias

Estação de transição é responsável por aumento de problemas respiratórios e cardiovasculares

Compartilhe:     |  25 de março de 2019

O outono acaba de dar o pontapé inicial — começou dia 21. Na estação de transição entre o verão e o inverno é comum a variação de temperaturas ao longo do dia e acentuada queda da umidade relativa do ar. Tais fatores, juntamente com a poluição, são alguns dos responsáveis pelo aumento de doenças respiratórias e cardiovasculares durante esta época do ano.

Os problemas mais frequentes no período são a asma, as rinites e as sinusites, de acordo com Ricardo Souza Queiroz, alergista e imunologista do Grupo São Cristóvão Saúde. “Quando o tempo está seco, a mucosa nasal fica ressecada e passa a não filtrar corretamente o ar, cheio de partículas poluentes e alergênicas, que vai aos pulmões”, explica. “Em muitos casos, as pessoas já têm uma predisposição genética às alergias respiratórias. Então, quando são expostas a esses fatores, elas são desencadeadas e geram uma reação do sistema imunológico, que inclui o corrimento nasal e o lacrimejamento”, acrescenta.

O pneumologista do Centro de Medicina do Sono HCor, Pedro Genta, reforça que mesmo os resfriados precisam de cuidados, pois podem ser a porta de entrada para pneumonias. “As bactérias causadoras da pneumonia e da sinusite, muitas vezes, se aproveitam da queda da imunidade e das defesas do organismo ocasionadas pelas infecções virais. Portanto, devemos ficar atentos quando um simples resfriado permanece por muito tempo e se associa à febre mais alta e cansaço”, afirma.

Para os que já sofrem de doenças respiratórias crônicas, como, por exemplo, enfisema, asma e bronquite, ou doenças cardiovasculares, como as insuficiências cardíaca e coronariana, e arritmias, é importante enfrentar o frio com a saúde em dia. O aumento da pressão arterial e da tendência à coagulação do sangue ocorrem com a exposição ao frio e podem estar envolvidas com o maior risco de infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e arritmias. “Uma reavaliação médica antes da chegada do frio é uma boa oportunidade para se preparar, além de verificar se as vacinas estão em dia”, alerta Pedro Genta.

Uma boa noite de sono, a prática de atividades físicas, uma alimentação balanceada e rica em vitamina C também são elementos que podem ajudar a melhorar a imunidade e, consequentemente, evitar ou amenizar o grau de intensidade das doenças causadas no outono. Outras dicas para o outono é o hábito de lavar as mãos e manter os ambientes arejados.

“Aquecer o ambiente de casa ou trabalho, se proteger durante as mudanças de temperatura com luvas e casacos são algumas medidas preventivas nos dias mais frios. Nos dias secos, evite exercícios físicos no meio do dia e perto de vias de grande circulação e ingira bastante líquido”, indica o pneumologista Pedro Genta.



Fonte: O Dia



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Primeiros socorros: o que fazer quando o seu pet precisa de ajuda

Leia Mais