Notícias

Estados Unidos anuncia investimentos de mais de 1 bilhão de dólares para salvar as orcas

Compartilhe:     |  4 de março de 2019

Formada por cerca de 50 especialistas de diversos setores, a força-tarefa foi criada depois que Tahlequah (J35), uma das 74 orcas da população residente do Sul da Austrália, carregou seu bebê morto por 17 dias, o que alguns chamam de “tour de luto”. Infelizmente, prevê-se que duas outras orcas, J17 e K25, possam morrer antes do próximo verão.

O governador Inslee anunciou em dezembro de 2018 seu plano de recuperação de 1,1 bilhão de dólares (cerca de 3,7 bilhões de reais) baseado nas recomendações iniciais do projeto, que incluiu quatro metas: aumentar a disponibilidade de alimentos, diminuir o ruído e o tráfego das embarcações, bem como a poluição e garantir esforços contínuos de conservação.

Outras iniciativas potencialmente salvadoras do governador são:

*Uma moratória de três anos sobre a observação de baleias dos residentes do sul
*Esforços estaduais para aumentar o número de salmões Chinook
*Uma avaliação de um desvio das barragens do rio Snake Inferior
*Um programa de derramamento para enviar mais água nas represas de Columbia e Snake River

Caça às baleias

A ameaça de extinção das baleias pela caça tem chamado a atenção do mundo, principalmente após a saída do Japão da Comissão Baleeira Internacional para retomar a caça comercial dos mamíferos.

O grupo Sea Shepherd vê o anúncio como uma vitória, praticamente eliminando a caça às baleias no Oceano Antártico.

“O Japão nunca parou a caça comercial. Eles se esconderam por trás da desculpa da chamada caça científica desde 1987”, disse o fundador da Sea Shepherd, o Capitão Paul Watson.

“Eles continuaram a caça comercial apesar da decisão do Tribunal Internacional de Justiça de que não há justificativa legal para a chamada ‘caça científica’. Agora não pode haver fachada, o Japão juntou-se à Noruega e à Islândia em seu desafio aberto à lei internacional de conservação. Todas as três nações são nações baleeiras piratas. ”
De acordo com a Sea Shepherd, a CBI agora também pode votar para condenar toda a caça comercial de baleias, essencialmente forçando o Japão, a Islândia e a Noruega a abandonar a prática controversa.

“O Japão agora está declarando abertamente suas atividades baleeiras ilegais. Não mais pretensão de caça à baleia. Com este anúncio, o Japão se declarou como uma nação baleeira pirata ”, observa Watson. “Isso fará com que o objetivo da Sea Shepherd de acabar com esses caçadores seja muito mais fácil”.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Projeto de lei ‘Animal não é coisa’ é aprovado pelo Senado

Leia Mais