Denúncia

Estudo mostra que mudanças climáticas podem ser um impasse para biodiversidade

Compartilhe:     |  7 de setembro de 2018

Cientistas analisaram mecanismos de adaptação ao meio dos animais ao longo da história e atentam às recentes mudanças climáticas cada vez mais frequentes

Um estudo analisou a relação entre as recentes mudanças climáticas no mundo e a biodiversidade. Ele foi publicado na revista científica Trends in Ecology and Evolution.

A pesquisa foi feita por um grupo internacional de cientistas liderado pelo Centro de Macroecologia, Evolução e Clima da Universidade de Copenhague. Eles partiram do fato de que, no passado, plantas e animais reagiam a mudanças ambientais adaptando-se, migrando ou se extinguindo.

Meios de adaptação são observados nessas situações. Comportamento e movimento entre plantas e animais se alteram, as flores mudam o período de floração e as corujas ficam mais escuras devido aos invernos mais quentes.

Entretanto, com mudanças radicais cada vez mais frequentes, eles temem que a natureza e a biodiversidade pode ter cada vez menos chances de sobreviver.

Autor-chefe de um novo estudo, o professor David Bravo-Nogues, do Centro de Macroecologia, Evolução e Clima da Universidade de Copenhague, explica: “Nós compilamos uma enorme quantidade de estudos de eventos, que sabemos que influenciaram a biodiversidade durante os últimos milhões de anos”.

“Acontece que as espécies foram capazes de sobreviver a novas condições em seu habitat, alterando o comportamento ou a forma do corpo. No entanto, a magnitude atual e a velocidade inédita da mudança na natureza pode levar as espécies além de sua capacidade de adaptação”.

De acordo com pesquisa, a biodiversidade pode ter cada vez menos chances de sobreviver devido à mudanças climáticas (Foto: Pixabay)

A importância da análise

O novo estudo sobre como a biodiversidade muda sob a mudança climática pode informar os decisores políticos, a fim de implementar esquemas de conservação eficazes no futuro.

Algumas espécies, quando não conseguiram se adaptar ou se mover rápido o suficiente, como o filefish arlequim-alaranjado, já foram extintas devido à mudança climática.

O co-autor Francisco Rodriguez-Sanchez, do Conselho Espanhol de Pesquisa (CSIC), diz: “Sabemos que animais e plantas impediram a extinção se adaptaram ou migraram no passado. No entanto, os modelos que usamos hoje para prever mudanças climáticas futuras, preveem magnitudes e taxas de mudança, que têm sido excepcionalmente raras nos últimos milhões de anos”.

“Precisamos expandir nosso conhecimento e melhorar nossos modelos de previsão. Também devemos reconhecer as limitações dos modelos, porque eles são usados para informar políticos e tomadores de decisão sobre os efeitos das mudanças climáticas na biodiversidade”.



Fonte: ANDA - Julia Cortezia



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais