Notícias

Estudo revela alta concentração de mercúrio no rio Madeira

Compartilhe:     |  28 de março de 2019

Um estudo feito por pesquisadores brasileiros e australianos revelou um nível relativamente alto de mercúrio acumulado no rio Madeira. A extração artesanal de ouro nos últimos anos é apontada como a principal causa da poluição no maior afluente do rio Amazonas. Os resultados da pesquisa foram publicados em uma revista internacional.

O estudo foi feito por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Rio Claro, em parceria com pesquisadores da Queensland University of Technology, da Austrália. Além da parceria, o estudo também contou com a participação de pesquisadores da Universidade Federal de Rondônia (Unir) e da Shenzen University, na China.

Segundo a pesquisa, mesmo após o declínio do garimpo de ouro em minas de aluvião a partir de 1985, a garimpagem continua a ser a principal fonte de emissão de mercúrio na bacia do rio Madeira.

Pesquisadores chegaram a relatar no estudo que presenciaram garimpeiros descartando diretamente o mercúrio em lagos do rio Madeira. O metal é considerado tóxico e, portanto, representa um risco a saúde humana já que a contaminação pode acontecer pelo consumo de peixes da região.

Garimpeiros montam estruturas ao longo do rio Madeira para extração do ouro de aluvião.  — Foto: Pedro Bentes/G1

Garimpeiros montam estruturas ao longo do rio Madeira para extração do ouro de aluvião. — Foto: Pedro Bentes/G1

Os pesquisadores fizeram a análise através de dados de sedimentos e de rochas de nove lagos do rio Madeira. O objetivo foi estimar a contribuição do garimpo para a concentração de mercúrio. Eles constataram que a quantidade de minério nos sedimentos do fundo dos lagos é mais elevado do que os encontrados nas rochas que circundam as margens do Madeira.

Dessa forma, os pesquisadores acreditam que, mesmo com a diminuição significativa da garimpagem na região, as emissões de mercúrio em anos anteriores contribuiu para altas concentrações nos sedimentos dos lagos, que costumam registrar evidências de poluição.

O estudo acrescenta, ainda, que as formações geológicas e do solo dos ecossistemas amazônicos influenciam o transporte de mercúrio. Muitos pesquisadores da região afirmam que o Madeira, que nasce nos Andes, é um rio novo e em formação constante.

Os resultados da pesquisa foram publicados na revista internacional Ecotoxicology and Environmental Safety.

A parceria internacional, que teve o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de SP (Fapesp), permitiu ampliar as investigações sobre a concentração de mercúrio no rio Madeira, que vêm sendo feitas pela Fapesp desde a década de 1990.

As conclusões alcançadas pelo estudo no rio Madeira agora poderão servir de modelo para uma abordagem semelhante na França.

O autor do estudo, Daniel Marcos Bonotto, professor da Unesp, afirmou que pretende-se usar a mesma abordagem estatística para estimar fontes de emissão de cromo pela indústria de calçados em rios franceses.



Fonte: G1



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais