Notícias

Estudo revela que tutores de cães vivem mais que pessoas que não convivem com animais

Compartilhe:     |  10 de outubro de 2019
A análise examinou um conjunto de dados envolvendo 3,8 milhões de pessoas e descobriu que os tutores de cães tinham 65% menos probabilidade de morrer após um ataque cardíaco

Tutores de animais podem viver mais e se beneficiar de uma saúde cardiovascular melhor que os demais, segundo uma nova pesquisa.

De acordo com um estudo publicado na revista Circulation: Cardiovascular Quality and Outcomes (Qualidade e resultados para uma boa saúde cardiovascular), o convívio íntimo com cães pode ser particularmente benéfica para sobreviventes de ataques cardíacos e derrames que vivem sozinhos.

A pesquisa, realizada por professores da Universidade de Uppsala, na Suécia examinou residentes suecos com idades entre 40 e 85 anos que sofreram um ataque cardíaco ou derrame entre 2001 e 2012.

O estudo constatou que as pessoas que sofreram um ataque cardíaco e moravam sozinhas tinham 33% menos chances de morrer após serem liberadas do hospital caso fossem tutores de um cão.

Foto: Jan Steiner por Pixabay
Foto: Jan Steiner por Pixabay

Enquanto isso, para as vítimas de derrame que eram donos de cães, o risco de morte era 27% menor.

Resultados de uma meta-análise separada publicada na mesma revista apoiaram os resultados do estudo.

A análise examinou um conjunto de dados envolvendo 3,8 milhões de pessoas extraídos de 10 estudos diferentes e descobriu que os tutores de cães tinham 65% menos probabilidade de morrer após um ataque cardíaco.

Os autores concluíram que o menor risco de morte associado à convivência e companhia de cães pode ser devido ao aumento da atividade física relacionada às caminhadas regulares dos cães e à diminuição da solidão e da depressão que foram associadas à presença de cães em estudos anteriores.

Foto: Erin Webreck
Foto: Erin Webreck

Tove Fall, professor da Universidade de Uppsala, na Suécia, disse: “Sabemos que o isolamento social é um forte fator de risco para piores resultados de saúde e morte prematura”.

“Estudos anteriores indicaram que os tutores de cães experimentam menos isolamento social e têm mais interação com outras pessoas. Além disso, manter um cão é uma boa motivação para a atividade física, que é um fator importante na reabilitação e na saúde mental”.

Mas Fall acrescentou que são necessários mais estudos para atuar sobre os resultados de uma maneira que apoie os pacientes com ataque cardíaco e derrame.

“Mais pesquisas são necessárias para confirmar uma relação causal e dar recomendações sobre a prescrição de cães para prevenção”, disse Fall.

“Além disso, do ponto de vista do bem-estar animal, os cães só devem ser adotados por pessoas que sentem que têm responsabilidade, capacidade e conhecimento para dar uma boa vida ao animal”.



Fonte: Anda - Eliane Arakaki



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Saiba como proceder em caso de envenenamento de cães e gatos

Leia Mais