Notícias

Evitar o plástico descartável precisa fazer parte do “novo normal”

Compartilhe:     |  29 de junho de 2020

Antes da pandemia, os australianos fizeram grandes progressos na eliminação gradual do uso de plástico de uso único — é possível que o bom trabalho continue. À medida que as restrições da Covid-19 começam a diminuir, é improvável que retornemos aos nossos comportamentos anteriores, do equilíbrio entre a vida profissional à manutenção da boa higiene.

Mas há desvantagens nesse novo normal, principalmente quando se trata de questões de higiene, que levaram ao aumento de uma praga ambiental que finalmente começamos a superar: o plástico descartável. Publicamos recentemente pesquisas baseadas em dados coletados em meados de 2019 (antes da Covid-19). Nossas descobertas mostraram que não apenas as pessoas evitavam plásticos descartáveis frequentemente, mas que um dos maiores motivadores era saber que os outros também os estavam evitando. Evitar estava se tornando normal.

Mas a Covid-19 mudou o jogo. Desde o início da pandemia, houve um aumento significativo de resíduos de plástico, como resíduos médicos de equipamentos de proteção (máscaras, luvas e roupões) e aumento de compras de produtos sanitários que incluem lenços descartáveis ​​e sabonete líquido. A boa notícia é que podemos voltar aos nossos hábitos de evitar o plástico. Mas pode parecer um pouco diferente. Como precisávamos nos proteger com máscaras, aumentamos a crise de resíduos.

Evitar era mais normal do que imaginávamos. Em nossa pesquisa representativa com 1.001 cidadães de Vitória, na Austrália, perguntamos às pessoas sobre seus comportamentos e crenças em torno de quatro itens de plástico descartáveis: sacolas, canudos, xícaras de café e recipientes para viagem.

Descobrimos que a crença das pessoas sobre a frequência com que outras pessoas evitavam esses itens eram um dos preditores mais fortes de suas próprias intenções. Outras influências que previram as intenções incluem confiança pessoal, os benefícios pessoais e ambientais percebidos, os custos financeiros associados à prevenção, e se outros aprovariam ou desaprovariam o comportamento.

Embora as crenças sobre o comportamento de outras pessoas tenham sido um dos preditores mais fortes de intenções, ainda havia uma lacuna entre essas crenças e o comportamento relatado. Em média, 70% da nossa amostra relatou evitar plásticos descartáveis na maioria das vezes. Mas apenas 30% acreditavam que outros os evitavam com a mesma frequência.

Felizmente, nossas descobertas sugerem que podemos incentivar mais pessoas a evitar plásticos descartáveis com mais frequência, compartilhando as notícias de que a maioria das pessoas já está fazendo isso. A má notícia é que a Covid-19 aumentou nossa dependência de itens descartáveis.

A utilização de itens descartáveis é necessária durante uma pandemia

Quando a prevenção estava se tornando normal, a pandemia trouxe de volta os plásticos descartáveis. Apesar do vírus sobreviver mais tempo no plástico em comparação com outras superfícies e na falta de evidência de que os itens descartáveis ​​são mais seguros do que os reutilizáveis, muitas empresas se recusam a aceitar recipientes reutilizáveis, como xícaras de café.

Cafeterias recusaram copos reutilizáveis ​​para tentar manter uma melhor higiene. No exterior e na Austrália, alguns departamentos governamentais atrasaram as próximas proibições de plásticos descartáveis e outros derrubaram as proibições existentes de sacolas plásticas descartáveis.
Portanto, mesmo que os consumidores desejem evitar plásticos descartáveis, não é tão fácil como costumava ser.

Evitar o plástico ainda pode fazer parte do nosso “novo normal”

Atualmente, ainda é possível evitar o plástico descartável desnecessário. Só precisamos ser criativos e focar nos itens sob nosso controle. Ainda podemos embalar as compras em sacolas reutilizáveis, fazer um café em casa em uma xícara reutilizável, carregar canudos reutilizáveis ​​quando saímos — apenas se certifique de lavar os reutilizáveis ​​entre cada uso.

Muitos vitorianos podem até pedir comida para entrega em recipientes reutilizáveis, graças à parceria entre a Deliveroo e a Returnr, o sistema de embalagens reutilizáveis. A Boomerang Alliance também produziu diretrizes para opções de “take-away” sustentáveis, incluindo dicas práticas para a entrega de alimentos sem contato.

Nossa pesquisa se concentrou em comportamentos públicos de prevenção de plásticos descartável, mas agora é um bom momento para analisar também os privados. Existem muitos plásticos de uso único em casa: invólucro aderente, cápsulas de café, frascos de shampoo e condicionador, lâminas descartáveis ​​e embalagens de sabão líquido, entre outros.

O uso de envoltórios reutilizáveis ​​para a comida é uma alternativa muito melhor do que o adesivo descartável. Mas você pode encontrar alternativas reutilizáveis para quase tudo: envoltórios de cera de abelha ou silicone, cápsulas de café reutilizáveis, barras de shampoo e condicionador, aparelhos de barbear reutilizáveis ​​e sabão em pedra, em vez de sabão líquido.

A compra de produtos de limpeza a granel também pode reduzir as embalagens plásticas e manter os frascos de vidro ou recipientes de plástico rígido é ótimo para armazenar as sobras. Só porque estamos em um período de mudança, não significa que temos que perder impulso. Os plásticos descartáveis são um enorme problema ambiental que podemos enfrentar alterando nossos comportamentos.

Muitos estão pedindo aos governos, empresas e indivíduos que usem a pandemia como uma oportunidade de ver como costumávamos fazer as coisas e perguntar — existe uma maneira melhor? Quando se trata de plásticos descartáveis durante a Covid-19, não podemos controlar tudo. Mas nossas ações podem ajudar a moldar a aparência do novo normal.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais