Notícias

Experiência brasileira testou a estratégia do jejum intermitente entre mulheres com obesidade

Compartilhe:     |  31 de março de 2021

Para o profissional de educação física Hugo Falqueto, da Universidade Federal da Fronteira Sul, em Santa Catarina, o jejum intermitente tem um grande apelo para quem busca emagrecer: não depende de alterações na dieta. “A pessoa segue comendo o que deseja. A única restrição é de tempo”, explica.

O pesquisador indicou a estratégia a 20 mulheres com obesidade, que seguiram o esquema por três meses. Ao final, ele notou que as voluntárias perderam peso, eliminaram gordura e tiveram diminuição no risco cardíaco. “Mesmo que os exames estejam normais, a obesidade, por si só, eleva o perigo de infarto e AVC”, alerta.

Cabe destacar que o estudo é pequeno, e maiores levantamentos devem ser realizados para confirmar o achado.

Não é para todo mundo

Falqueto conta que a pesquisa teve início com 28 participantes — quatro não deram mais notícias e outras quatro não conseguiram seguir o método. “Alguns indivíduos não se adaptam”, avalia. Mas, para o pesquisador, o crucial é saber da possibilidade de tentar essa linha. “Ferramentas mais simples podem ajudar a população”, diz.

O relógio é quem manda

Entenda o sistema utilizado no estudo:

Das 20 às 12 h
Essa era a fase do jejum, com duração de 16 horas. A voluntária só podia beber água.

Das 12 às 20 h
Nesse período de oito horas, as mulheres comiam livremente, sem nenhum tipo de restrição.



Fonte: Saúde - Por Thaís Manarini



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Primeiros socorros: o que fazer quando o seu pet precisa de ajuda

Leia Mais