Notícias, Sem categoria

Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha recolhe 240 toneladas de lixo por mês

Compartilhe:     |  4 de novembro de 2014

O Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha (PE) recolhe cerca de 240 toneladas de lixo todos os meses, uma média de 8 toneladas por dia. Boa parte do material é lixo marinho, gerado por embarcações – muitas vezes estrangeiras – chega pelas correntes marítimas e é coletado nas praias da Unidade de Conservação (UC).

“Todo o lixo é triado na usina de compostagem, que separa o lixo orgânico do reciclável, já que não temos aterro sanitário. O que é orgânico nós aproveitamos como adubo e o que não é enviamos ao continente para ser tratado”, explicou o chefe do Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha, Ricardo Araújo.

Nos últimos anos, a quantidade de lixo produzido na UC aumentou devido ao crescimento de turistas no arquipélago. “A nossa média histórica é de 61 mil visitantes, mas em apenas 12 meses recebemos 70 mil turistas”, salientou Araújo.

Para combater o problema, o Parque faz campanhas educativas e ambientais, envolvendo moradores, crianças, turistas e servidores, incentivando a redução do consumo de descartáveis. Além disso, são feitas limpezas periódicas nas praias, incluindo alguns mutirões, para conscientização do público.

“Nós adotamos um sistema de recarga de garrafinhas pet. Agora, é proibido vender esse tipo de material dentro da nossa UC. O turista compra um ticket e tem direito a recarga de água, por meio de uma máquina parecida com a chopeira. Isso diminuiu em 60% a quantidade de lixo de garrafa pet produzido dentro do Parque, número bastante expressivo”, finalizou o chefe da UC.

Sobre a Unidade de Conservação

O Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, desde 2001, reconhecido e tombado pela Unesco como patrimônio mundial da humanidade, é hoje um dos destinos turísticos mais cobiçados do País.

A UC abriga diversas praias com águas verde-esmeralda, dentre elas, duas foram eleitas como as mais bonitas do Brasil: a Praia do Sancho e a Praia do Leão.

O local também abriga um ecossistema delicado e espécies que estão ameaçadas de extinção em outras regiões do País e do mundo, sendo assim este arquipélago pode ser caracterizado como um santuário para muitas espécies.

Visitação

Para chegar na ilha há vôos diários de Recife, capital de Pernambuco, e Natal, capital do Rio Grande do Norte. O voo dura em média uma hora.

Quanto a hospedagem, atualmente há em Fernando de Noronha uma vasta lista de pousadas de diferentes categorias, e fica a critério do visitante escolher pelo nível de conforto oferecido e tarifas praticadas.

Já referente a entrada no parque, se é cobrado um valor de R$ 75 para brasileiros e R$ 150 para estrangeiros. Este ingresso, válido por 10 dias, dá ao visitante o direito de acessar todas as áreas destinadas ao uso público porém serviços terceirizados especializados devem ser contratados a parte.

A arrecadação deste ingresso tem cerca de 70% do seu valor revertido à ações de melhorias diretas ao Parque Nacional através de projetos de reforma e manutenção de trilhas, folheteria, sinalização interpretativa, implementação e manutenção do Centro de Visitantes e etc.

É importante lembrar, que ao entrar na ilha, o visitante é solicitado a pagar uma taxa de permanência chamada Taxa de Preservação Ambiental (TPA). O valor é cobrado e arrecadado pelo governo estadual de Pernambuco, que administra o Distrito de Fernando de Noronha. A taxa varia de acordo com os dias de permanência e custa algo em torno de R$ 38.



Fonte: Portal Brasil - ICMBio



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais