Notícias

Filhotes de lobo-marinho encontram abrigo em ilha vulcânica no Alaska

Compartilhe:     |  4 de outubro de 2019

A população de lobos-marinhos do norte do Alasca, nos Estados Unidos, há três décadas foi classificada como potencialmente extinta. No entanto, os mamíferos estão voltando a aparecer, em número cada vez maior, em um local improvável: uma pequena ilha na ponta de um vulcão submarino ativo.

Os ventos na ilha de Bogoslof continuam a soprar lama, vapor e gases sulfurosos até hoje, dois anos depois de uma erupção mandar nuvens de cinzas para o caminho dos aviões que passam pelo Mar de Bering. Apesar disso, as mães dos lobos-marinhos parecem achar as praias rochosas da remota ilha perfeitas para dar à luz e criar filhotes.

“O crescimento populacional de lobos-marinhos em Bogoslof tem sido extraordinário”, disse Tom Gelatt, líder do grupo NOAA Fisheries, que estuda focas do norte. Cientistas federais visitaram a ilha em agosto.

Gases e cinzas vulcânicas cobrem boa parte da pequena ilha de Bogoslof, no Alaska — Foto: Maggie Mooney-Seus/NOAA Fisheries/AP

Gases e cinzas vulcânicas cobrem boa parte da pequena ilha de Bogoslof, no Alaska — Foto: Maggie Mooney-Seus/NOAA Fisheries/AP

Em termos geográficos a ilha não é um lugar particularmente incomum para as focas. A maioria das cerca de 1,1 milhão de lobos-marinhos do mundo se reproduz na região a leste do Mar de Bering. Os animais vivem no oceano de novembro a junho e seguem para a terra no verão para procriar e amamentar os filhotes.

Mas ainda não está claro por que os animais escolheram a instável Bogoslof em detrimento de dezenas de outras ilhas desabitadas da região.

Lobos-marinhos cobrem parte da ilha de Bogoslof, no Alaska — Foto: Maggie Mooney-Seus/NOAA Fisheries/AP

Lobos-marinhos cobrem parte da ilha de Bogoslof, no Alaska — Foto: Maggie Mooney-Seus/NOAA Fisheries/AP

“A superfície é coberta por esses grandes blocos balísticos, alguns com até 10 metros de comprimento, que foram expelidos pelo vulcão”, disse Chris Waythomas, geofísico pesquisador do Geological Survey dos EUA no Alaska Volcano Observatory. “Eles cobrem toda a superfície. É bem selvagem.”

A população de lobos-marinhos do Mar de Bering, no leste, é de cerca de 635.000 animais, e seu principal local de reprodução é a ilha de St. Paul, 390 km a noroeste de Bogoslof. A população da Califórnia, distribuída nas ilhas San Miguel, Channel e Farallon, é estimada em cerca de 14.000 animais. Outros lobos-marinhos vivem nas águas russas, embora não esteja claro quantos.

Lobo-marinho na ilha de Bogoslof, no Alaska — Foto: AP

Lobo-marinho na ilha de Bogoslof, no Alaska — Foto: AP

Ilha de Bogoslof

As focas foram vistas pela primeira vez em Bogoslof em 1980 e, desde então, os pesquisadores da NOAA realizam verificações periódicas na população. Em 2015, os biólogos estimaram uma taxa de crescimento anual de pouco mais de 10% para aproximadamente 28.000 filhotes na ilha. A estimativa para 2019 provavelmente será de mais de 36.000 filhotes, disse Gelatt. Aumento na quantidade de alimentos nas águas profundas perto da ilha podem ser um fator contribuinte.

Os animais ficam nas praias, mas na pequena Bogoslof, que tem cerca de um terço do tamanho do Central Park de Nova York, nunca estão longe dos sinais de atividade vulcânica.

O centro da ilha suporta um campo com aberturas através das quais emergem gases quentes. Alguns fazem barulho “como motores a jato” e jorram gêiseres de lama com vários metros de altura, disse Waythomas. Ele visitou a ilha nos dois últimos verões. “Eram incríveis os sons que estavam sendo produzidos”, disse ele.



Fonte: G1 - Associated Press



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Dia das crianças: não dê animal de presente!

Leia Mais