Notícias

Fiocruz isola vírus chikungunya e avança na criação de teste rápido

Compartilhe:     |  14 de março de 2015

Pesquisadores do Instituto Carlos Chagas (ICC), da Fiocruz Paraná, estão mais perto de desenvolver um teste rápido para detectar o chikungunya, doença que já infectou 3.822 pessoas desde que chegou ao Brasil no ano passado.

Este mês, a equipe conseguiu isolar o vírus a partir do soro do sangue de pacientes infectados. Ter o vírus isolado significa, segundo a pesquisadora Claudia Nunes Duarte dos Santos, chefe do Laboratório de Virologia Molecular do ICC, obter matéria-prima permanente para pesquisas sobre a doença.

“Conseguimos crescer o vírus em cultura e podemos manipular, infectar outras células, usar como reativo para teste diagnóstico e estudar diferentes aspectos do vírus”, diz.  O foco de sua equipe agora é validar um kit diagnóstico desenvolvido pelo laboratório para detectar a doença em apenas 15 minutos a partir de uma gota de sangue.

Atualmente, o teste padrão para detecção do chikungunya usado pelo Ministério da Saúde é do tipo Elisa (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay). Ele é capaz de detectar os anticorpos produzidos pelo organismo em reação ao vírus. Por isso, o exame só é eficaz a partir do quinto dia do aparecimento dos sintomas. O resultado também não é imediato: demora alguns dias para sair.

Por causa das limitações relacionadas a esse teste, depois que os primeiros casos são constatados com exame laboratorial em determinada região, ocorrências posteriores são confirmadas apenas por critérios clínicos e epidemiológicos, segundo determinação do Ministério da Saúde.

Um teste rápido e acessível poderia mudar essa situação, segundo Claudia. “É importante que o paciente sabia na beira do leito a doença que tem para que possa ter um prognóstico melhor.”

Segundo balanço divulgado nesta quinta-feira (12) pelo Ministério da Saúde, só neste ano já houve 1.049 casos confirmados da doença no país: 590 no Amapá e 459 na Bahia.

A pesquisa sobre o vírus chikungunya começou a ser feita no ICC antes mesmo de a doença chegar ao país, há três anos. “Tínhamos tudo pronto para validar o kit, mas nunca conseguíamos amostras de pacientes”, diz Claudia. Agora, com uma amostra grande de pacientes disponível, a validação do teste rápido é uma questão de meses, segundo a pesquisadora.

Selo - Chikungunya (Foto: G1)

A pesquisadora lembra que já há um teste rápido para detectar chikungunya que está sendo aplicado em algumas cidades da Bahia. Ele foi desenvolvido por uma empresa privada e promete informar o resultado em 20 minutos.

Sintomas dolorosos
A infecção pelo vírus chikungunya provoca sintomas parecidos com os da dengue, porém mais dolorosos. No idioma africano makonde, o nome chikungunya significa “aqueles que se dobram”, em referência à postura que os pacientes adotam diante das penosas dores articulares que a doença causa.

Em compensação, comparado com a dengue, o novo vírus mata com menos frequência. Em idosos, quando a infecção é associada a outros problemas de saúde, ela pode até contribuir como causa de morte, porém complicações sérias são raras, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Info Chikungunya V1 (Foto: Editoria de Arte/G1)



Fonte: Bem Estar - Mariana Lenharo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Holanda se torna o primeiro país sem cães abandonados – e não precisou sacrificar nenhum

Leia Mais