Notícias

Fome de pele: o toque é curativo e calmante. Veja por que abraçar é preciso!

Compartilhe:     |  3 de julho de 2020

A pele sente fome e é de contato! É o que aponta um fenômeno neurológico chamado “fome de pele”.

Esse fenômeno da fome da pele pode ser entendido como a necessidade biológica do toque.

Um exemplo maravilhoso e potente é a dos recém-nascidos prematuros que, após as UTIs adotarem o método canguru, no qual os bebês são colocados nus em contato direto com a pele das mães ou cuidador, apresentaram enorme melhora se comparado quando isso não acontecia.

Segundo explica Tiffany Field, doutora e fundadora do Instituto de Pesquisa do Toque da Universidade de Miami, EUA, uma das maiores autoridades no assunto, ao tocar a pele, são estimulados sensores de pressão que enviam mensagens cerebrais e, quanto mais mensagens o sistema nervoso receber, mais benefícios irá sentir.

Dentre eles, haverá diminuição de frequência cardíaca e da pressão arterial e, as ondas cerebrais irão produzir relaxamento.

A pesquisadora garante que há diminuição dos níveis de hormônios do estresse, como o cortisol e, por outro lado, liberação de ocitocina, o hormônio do sexo e do parto, que serve para criar o vínculo entre os que se tocam.

Portanto, pode-se concluir que, ser tocado faz com que os seres humanos se sintam mais calmos, felizes e mais sãos.

Para a doutora Cristina Márquez Vega, pesquisadora do Instituto de Neurociências de Alicante e integrante do Conselho Superior de Pesquisa Científica (CSIC) da Espanha e da Universidade Miguel Hernández:

“Quando nascemos, o primeiro sentido que se desenvolve nos humanos é o tato. E aprendemos sobre o mundo através do tato. Abraços, beijos, carícias e massagens não são apenas agradáveis, são também necessários”.

Tempos de quarentena

Mas em tempos de quarentena, como ficam as pessoas que vivem sozinhas ou aqueles que precisam ficar isoladas?

Parece que a pandemia pode estar sobrecarregando esse fenômeno da fome da pele.

Sem contato físico, essa situação pode ser agravada. A falta de toque humano pode parecer angustiante demais e pior, pode afetar o sistema imunológico.

Para Tiffany Field,

“o toque é fundamental na função imunológica porque reduz os níveis de cortisol. Quando os níveis de cortisol estão altos, o sistema imunológico está esgotado: o cortisol mata células assassinas naturais, um tipo de glóbulo branco que ataca vírus para nós. O toque humano demonstrou aumentar as células assassinas naturais em pacientes com HIV e câncer”.

Em tempos de quarentena, a tecnologia vem suprindo a necessidade das pessoas de se conectarem socialmente, mas nem toda tecnologia do mundo é capaz de substituir um abraço.

Nem tudo está perdido

Talvez seja necessário encarar que possa demorar para o retorno do “normal” e por causa dessa pandemia, ainda vivamos por um longo período numa sociedade sem contato físico. Hoje em dia, sequer aperto de mão é “permitido”.

Pensando nisso, algumas atividades podem suprir um pouco essa necessidade.

Acariciar um animal

Um animal de estimação pode servir bem para isso, é extremamente prazeroso e calmante acariciar um cachorro ou um gato, por exemplo. Tanto que cachorros são comumente levados em hospitais para ter contato com pacientes que normalmente ficam internados por muito tempo ou em isolamento.

O contato com animais também pode ser considerado uma forma de toque. Quer coisa mais gostosa que um abraço do seu pet?

Automassagem

“Quando você move a pele, aumenta a serotonina”, explica Field.

Uma automassagem, no couro cabeludo, pés, rosto, ombros, pernas, massagear o corpo no banho, são formas que irão estimular sua pele, causando pressão que avisará o cérebro a promover aquela sensação gostosa que o toque traz.

Exercícios

“Faça o máximo de exercício possível”, diz Field.

O simples ato de caminhar já estimula os receptores de pressão dos pés.

Nadar também é um excelente exercício, porque a pele recebe muitos estímulos de contato com a água.

Muna-se de toda a forma que puder, alimente sua pele, quem puder, abrace e toque aqueles do seu convívio regular, respeitando as regras da quarentena e, quando a pandemia passar e estivermos seguros, saia distribuindo abraços.

Enquanto isso, caso precise, use alguns dos truques acima. Só não perca os benefícios que o toque traz.



Fonte: GreenMe - Juliane Isler



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Gatos: dicas de cientistas para cuidar bem do seu pet

Leia Mais