Notícias

Gengibre possui componentes que ajudam no tratamento de Alzheimer e Parkinson

Compartilhe:     |  8 de setembro de 2019

O gosto picante e forte do gengibre guarda um segredo que vem sendo desvendado pela ciência: a raiz contribui com o tratamento de distúrbios neurológicos relacionados à idade, como o Alzheimer e o Parkinson.

Pesquisadores das Universidades de Gachon e de Kyung Hee, na Coreia do Sul, fizeram um estudo de revisão e observaram que compostos do gengibre são eficazes para melhorar os sintomas neurológicos e as condições patológicas dos distúrbios neurológicos relacionados à idade, modulando as moléculas sinalizadoras da morte celular.

— Algumas enzimas têm a capacidade de destruir neurônios, processo que diminui a atividade de neurotransmissores responsáveis pelo aprendizado e memória. Os componentes anti-inflamatórios do gengibre trabalham reduzindo a quantidade destas enzimas e protegendo os neurônios — explica o nutricionista Diogo Gonçalves.

O alimento pode ser consumido fresco, em conserva, seco, cristalizado ou em pó, podendo estar presente na salada, em sucos e chás, ou em receitas de pratos doces e salgados.

— O alimento é considerado seguro por não fazer mal para a maioria da população. Mas pacientes hipertensos e diabéticos devem ficar alertas e seguir as orientações médicas de consumo da raiz, já que ela auxilia na redução da pressão e glicose. O uso em excesso pode causar queimação e refluxo estomacal, irritação na boca e reações intestinais — orienta Paula Tuffy, nutricionista do grupo Prontobaby.



Fonte: Extra - Evelin Azevedo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

5 coisas horríveis que você não sabia que aranhas podem fazer com você

Leia Mais