Notícias

Habilidade para matemática e línguas é definida pelos mesmos genes

Compartilhe:     |  9 de julho de 2014

A habilidade para matemática e para línguas é determinada em pelos mesmos genes, segundo um estudo publicado nesta terça-feira na Nature. O estudo também ressalta, no entanto, a influência do meio para o desenvolvimento da pessoa.

Cientistas do King’s College de Londres, liderados por Robert Plomin, utilizaram dados do chamado Estudo do Desenvolvimento Precoce dos Gêmeos (TEDS, em sua sigla em inglês) para verificar a influência dos genes nas habilidades de leitura e cálculo de adolescentes de 12 anos de 2.800 famílias britânicas.

A equipe acompanhou gêmeos e outras crianças, com quem fez testes de compreensão oral, fluência verbal e matemática, conforme as exigências do sistema escolar britânico.

A combinação dos resultados desses testes e dos dados de DNA indicou que há uma “sobreposição significativa” dos genes que determinam a habilidade tanto para a língua e quanto para os números.

Aproximadamente metade dos genes que influenciam na habilidade de leitura da criança incide também em sua capacidade para as contas, de acordo com o estudo. No entanto, ressalta que o entorno familiar e a educação escolar são estratégicas para o desenvolvimento dos pequenos.

“As crianças diferem geneticamente em relação à facilidade de aprender e devemos reconhecer e respeitar estas diferenças individuais”, afirma Plomin.

Segundo o analista, “descobrir que há uma forte influência genética não significa que não se possa fazer nada quando uma criança custa a aprender: o fato de ser hereditário não implica que seja imutável, apenas significa que será preciso um esforço maior dos pais e das escolas para apoiar esse aluno”.

A pesquisa não identifica genes específicos que determinem essas habilidades, mas estabelece conjuntos de genes ou de diferenças genéticas que individualmente contribuem em pequena medida a moldar à pessoa.

Outro autor do estudo, Oliver Davis, da University College London, afirma que a pesquisa “demonstra que grupos similares de sutis diferenças de DNA são importantes para a leitura e a matemática”.

“No entanto, também fica claro como é importante nossa experiência de vida para que sejamos melhores em uma coisa ou em outra”, acrescenta.



Fonte: Revista Galileu - Efe



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

5 coisas horríveis que você não sabia que aranhas podem fazer com você

Leia Mais