Notícias

Holanda anuncia proibição de criação de visons para a produção de peles

Compartilhe:     |  31 de agosto de 2020

O governo da Holanda anunciou o fim e a proibição da criação de visons para a produção de peles após uma série de casos envolvendo contágios em massa de Covid-19 em fazendas de peles de visons. Para acelerar a abolição da exploração dos animais, o governo destinará 150 milhões de euros para indenizar os proprietários de fazendas e comerciantes.

Houve relatos de visons supostamente contaminados com o novo coronavírus em 42 fazendas no país. O governo holandês afirma que a manutenção dessas fazendas é um risco de criação de hotspots de contágio e aumento da propagação da doença. Mais de 1 milhão de animais foram sacrificados por suspeitas de Covid-19.

O ministro da Saúde da Holanda, Hugo de Jonge, afirma que é muito preocupante que esse tipo de atividade retrógrada seja tão nociva para os seres humanos e os animais. O país já tinha planos de abolir a indústria de pele de visons até 2024, mas a pandemia fez com que os planos fossem antecipados para a primavera de 2021. A Holanda é o maior produtor de peles “premiadas” de visons do mundo.

A notícia foi recebida com entusiasmo por organizações e ativistas em defesa dos direitos animais. “Sem o fim precoce da criação de peles, até 13,5 milhões de animais seriam forçados a sofrer vidas curtas e miseráveis apenas para abastecer a instável indústria da moda. É uma indústria doente tanto literal quanto figurativamente. Nunca houve um momento mais atraente para a Holanda encerrar essa indústria para sempre”, disse Joanna Swabe, da Humane Society International, em um comunicado.

Além de fazendas de pele, matadouros, frigoríficos e fazendas também estão sendo considerados grandes focos de contaminação de Covid-19. Esse é um importante momento para repensar hábitos e escolhas de consumo. Considere o veganismo.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais