Notícias

Imagem de uma tartaruga enrolada em rede de pesca ganha o prêmio de fotografia subaquática 2019

Compartilhe:     |  2 de março de 2019

Acevedo ganhou na categoria marinha ‘fotógrafo da conservação do ano 2019’ com a imagem capturada na Espanha.

A tartaruga Caretta-Caretta ficou presa em uma rede e impossível escapar, mas neste dia ela teve muita sorte e foi libertada graças à ajuda de dois fotógrafos subaquáticos que nadavam perto dela.

A poluição no oceano

Segundo a Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals (RSPCA), o número de animais mortos ou feridos por lixo plástico não para de cresce e atingiu a maior alta de todos os tempos. Focas, baleias, golfinhos, tartarugas, peixes e cisnes estão entre as vítimas dos resíduos plásticos.

A ANDA já mostrou diversos casos de animais, incluindo focas e baleias feridas ou mortas em consequência da poluição nos oceanos.

Na parte mais profunda dos mares é encontrada na Fossa das Marianas, localizada no oeste do Oceano Pacífico, a leste das Ilhas Marianas que estende-se a quase 11.000 metros abaixo da superfície.

Um saco plástico foi encontrado a 10.858 metros abaixo da superfície nesta região, a parte mais profunda conhecida de poluiçãohumana no mundo. Este pedaço de plástico descartável foi encontrado mais profundo do que 33 torres Eiffel, colocadas ponta a ponta, alcançaria.

Enquanto a poluição está afundando rapidamente, ela também está se espalhando para o meio dos oceanos. Um pedaço de plástico foi encontrado a mais de 620 milhas (mil milhas) da costa mais próxima – mais do que a extensão da França.

O Centro de Dados Oceanográficos Globais (Godac) da Agência do Japão para Ciência e Tecnologia da Terra Marinha (Jamstec) foi lançado para uso público em março de 2017.

Nesta base de dados, existem os registros de 5.010 mergulhos diferentes. De todos esses diferentes mergulhos, 3.425 itens de detritos feitos pelo homem foram contados.

Mais de 33% dos detritos eram de plástico, seguidos de metais (26%), borracha (1,8%), utensílios de pesca (1,7%), vidro (1,4%), tecido / papel / madeira (1,3%) e “outros” itens antropogênicos (35%).

Também foi descoberto que, de todos os resíduos encontrados, 89% eram descartáveis. Isso é definido como sacos plásticos, garrafas e pacotes. Quanto mais aprofundado o estudo, maior a quantidade de plástico que eles encontraram.



Fonte: ANDA - Mariana Duque



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

5 coisas horríveis que você não sabia que aranhas podem fazer com você

Leia Mais