Notícias

Jambo é uma fruta rica em compostos bioativos. Mas não confunda com o jambu

Compartilhe:     |  28 de novembro de 2019

Jambo é uma fruta que nasce da árvore do jambeiro e pertence à família Myrtaceae, que também inclui a goiaba, a pitanga e o eucalipto. Com o formato semelhante ao de uma pêra, o jambo pode ser encontrado nas cores rosa, amarelo, branco e laranja-amarelado.

O nome “jambo” às vezes é confundido com o nome de uma erva típica da região norte do Brasil, chamada “jambu“, que pertencente à espécie Acmella oleracea, também chamada popularmente de jamburana. Mas são vegetais bem diferentes, pois o jambu é uma erva, enquanto o jambo é uma fruta.

jambo é composto por 28,2% de água, 0,7% de proteína, 19,7% de carboidratos, vitaminas A (beta caroteno), B1 (tiamina), B2 (riboflavina) e minerais como, ferro e fósforo. Em 100 g de polpa de jambo há 50 calorias.

Benefícios

jamboFlor e fruta do jambo-vermelho ainda não amadurecido. Imagem editada e redimensionada de Fernando Cunha, está disponível no Wikimedia 

É rico em antocianinas

Os frutos da família Myrtaceae, como o jambo, possuem uma grande quantidade de antocianinas, principalmente em suas cascas. Essas substâncias são responsáveis pela cor vermelha do fruto e possuem atividade antioxidante, anti-inflamatória e cardioprotetora. Saiba mais sobre o tema na matéria: “Antocianina presente nas frutas vermelhas traz benefícios“.

Serve como pigmento natural de cosméticos

A presença de metais pesados em produtos cosméticos, como é o caso do chumbo e cádmio nos batons, têm se tornado uma preocupação, uma vez que podem ocasionar efeitos adversos aos consumidores à longo prazo por serem aplicados diretamente sob pele (saiba mais sobre esse tema na matéria: “Quem usa batom, brilho ou protetor labial pode estar ingerindo, aos poucos, metais pesados“). Esses metais podem causar câncer, perturbações neurológicas, desordens no aparelho reprodutor, entre outros problemas. O pigmento do jambo-vermelho pode ser uma alternativa não tóxica para aplicação na indústria cosmética e vir a substituir esses metais.

Um estudo mostrou que pigmento orgânico Syzygium malaccense (jambo-vermelho) apresentou resultados satisfatórios para a produção de um batom à base de manteiga de Bacuri (Platonia insignis).

Diminui a percepção da dor

Syzygium jambos (jambo-rosa) é uma planta medicinal amplamente utilizada tradicionalmente na África subsaariana para tratar várias doenças. O potencial analgésico dos extratos hidroalcoólicos de folhas foi avaliado em estudos que mostraram que eles podem reduzir a percepção da dor muscular cutânea,com um efeito máximo (eficácia analgésica) semelhante ao da morfina. O extrato reduziu significativamente a dor com uma eficácia analgésica superior à demonstrada pelo medicamento diclofenaco. O extrato de Syzygium jambos tem efeitos analgésicos notáveis ​​na dor muscular cutânea e profunda.

Tem atividade antimicrobiana

jambo-vermelho é tradicionalmente usado na África Subsaariana, também, para tratar doenças infecciosas. A acetona e os extratos aquosos da casca de S. jambos foram testados quanto à atividade antimicrobiana in vitro pelo método de diluição em ágar em placas de Petri. Ambos os extratos mostraram atividade contra os microrganismos testados. Eles provaram ser particularmente eficazes em Staphylococcus aureusYersinia enterocolitica e estafilococos negativos coagulase, entre os quais Staphylococcus hominisStaphylococcus cohnii e Staphylococcus warneri. Essas propriedades parecem estar relacionadas ao alto teor de taninos, pois a eliminação de taninos suprimiu totalmente essas atividades antimicrobianas.

É rica em compostos bioativos

O compostos bioativos são classificados em três principais grupos e auxiliam na prevenção e no combate a doenças crônicas não transmissíveis, tais como: problemas cardiovasculares, câncer, problemas respiratórios e diabetes. Entre todos os compostos identificados, a cianidina 3- glicosídeo foi a principal antocianina encontrada no jambo-vermelho. Esse composto está relacionado com efeitos protetores sobre o estresse oxidativo, além de minimizar processos inflamatórios e possuir efeitos de prevenção na obesidade



Fonte: Equipe Ecycle - UFPR, Universidade Federal do Oeste do Pará, Science Direct, Science Direct 2, Science Direct 3, PPMAC e Sustenere



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais