O lixo em questão

Lixo espacial pode piorar com o aumento da mudança climática

Compartilhe:     |  16 de maio de 2021

Crédito: Reprodução/Unsplash

Existem mais de 160 milhões de pedaços de ‘lixo espacial’ flutuando na órbita da Terra, com o número continuando a aumentar. O lixo espacial, que pode incluir destroços de satélites extintos e pedaços de foguetes, está provando ser um problema cada vez mais proeminente.

Além disso, com pedaços de lixo espacial viajando a velocidades médias de 27.000 km/h, mesmo os menores pedaços de entulho, incluindo lascas de tinta, podem ser extremamente problemáticas.

Os pesquisadores já disseram que as mudanças climáticas podem estar piorando a situação. O lixo espacial é projetado para queimar na densidade da alta atmosfera. No entanto, o aumento dos níveis de CO2 na alta atmosfera está causando a queda de sua densidade. Em última análise, a atmosfera inferior tem menos atração para atrair pedaços de lixo espacial. Isso, então, leva a menos objetos retornando à Terra e queimando na atmosfera e ele permanece obstruído em órbita.

Hugh Lewis, um especialista em detritos espaciais da Universidade de Southampton, disse ao New York Times: “Os números nos pegaram de surpresa. Há um motivo genuíno para alarme”.

Os especialistas já haviam alertado que, à medida que os detritos espaciais aumentam, será mais difícil para os foguetes escaparem da órbita da Terra por medo de colidir com um objeto, conhecido como ‘síndrome de Klesser’.

Além de representar uma ameaça para as viagens espaciais, tecnologias como telefones celulares, televisão, GPS e serviços relacionados ao clima também dependem de satélites. Portanto, uma série cataclísmica de quedas pode representar uma ameaça à nossa já excessiva dependência de satélites.

A ESA assinou um acordo de US$ 102 milhões com a empresa suíça ClearSpace SA para retirar da órbita um enorme pedaço de lixo espacial que representava uma ameaça aos satélites para demonstrar a tecnologia de limpeza do espaço.

O objeto em questão é um adaptador de carga que foi usado para lançar um satélite no espaço em 2013. A ESA e a ClearSpace SA planejam o lançamento em 2025.

Em quase 60 anos de atividades espaciais, mais de 5.550 lançamentos resultaram em cerca de 42.000 objetos rastreados em órbita, dos quais cerca de 23.000 permanecem no espaço e são regularmente rastreados.



Fonte: IstoÉ Dinheiro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como não repreender seu cachorro – Dicas de cuidados e educação

Leia Mais