Notícias

Lixo plástico que entra nos oceanos deve triplicar em 20 anos

Compartilhe:     |  3 de agosto de 2020

Espera-se que o desperdício de plástico que flua para os oceanos quase triplique em volume nos próximos 20 anos, enquanto os esforços para conter a maré até agora dificilmente afetaram o tsunami de resíduos, mostra a pesquisa.

Os governos poderiam fazer cortes drásticos no fluxo de plástico que chega aos oceanos por meio de medidas como restringir a venda e o uso de materiais plásticos e exigir alternativas ao uso, mas mesmo que todas as medidas mais prováveis ​​sejam tomadas, isso reduziria o desperdício a pouco menos de metade dos níveis de hoje, constatou a análise.

Estimativas anteriores relataram que a quantidade de plástico que chega aos oceanos anualmente é de cerca de 8 milhões de toneladas; mas o número real é muito maior, aproximadamente 11 milhões de toneladas, de acordo com o artigo publicado na revista Science.

Se as tendências atuais se confirmarem, a quantidade de lixo plástico poluindo os oceanos aumentará para 29 milhões de toneladas por ano até 2040, o equivalente a 50 kg para cada metro de costa litorânea no mundo. Todos os esforços feitos e anunciados até agora para reduzir o desperdício de plástico por governos e empresas reduzirão esse volume projetado em apenas cerca de 7% até 2040.

As descobertas sobre o problema dos resíduos plásticos, em uma das avaliações mais aprofundadas até o momento, revelam o impacto devastador da nossa dependência do plástico, especialmente plásticos descartáveis e filmes usados para embalagem. O bloqueio desse fluxo de consumo é crucial porque, uma vez que o plástico está no oceano, a maioria permanece lá para sempre, decompondo-se em microplásticos que causam muitos outros problemas. Além disso, os esforços para limpar os resíduos dos oceanos tiveram até agora pouco impacto.

Medidas mais rigorosas produziriam uma redução drástica no desperdício, segundo os pesquisadores. Isso inclui melhorar a coleta de resíduos principalmente nos países em desenvolvimento, reciclar mais resíduos, além de investir em materiais alternativos e em um melhor design de produtos para reduzir a quantidade de plástico utilizado.

Tais medidas exigiriam um investimento de cerca de US$ 150 bilhões em todo o mundo nos próximos cinco anos. Esse valor renderia US$ 70 bilhões em economia, em comparação com o custo de US$ 670 bilhões referente ao gerenciamento ineficiente de resíduos nos próximos 20 anos. O investimento também reduziria em até um quarto as emissões de gases de efeito estufa associadas ao plástico e criaria até 700.000 empregos.

Apesar da crescente conscientização do público sobre o problema do plástico nos últimos cinco anos, as tentativas de reduzir o desperdício através da cobrança ou proibição do uso de sacolas plásticas até agora tiveram pouco impacto, disse Simon Reddy, diretor internacional de meio ambiente do Pew Charitable Trusts, que liderou a pesquisa. “Todas as iniciativas até o momento fazem pouca diferença. Não existe uma bala de prata, não existe uma solução que possa ser simplesmente aplicada – são necessárias muitas políticas. Você precisa de inovação e mudança de sistemas”.

Essa mudança exigirá que os governos revisem seus sistemas de gerenciamento de resíduos, mas também que procurem maneiras de projetar os resíduos de plástico gerados a partir dos produtos. É necessário agir com urgência, disse ele, pois uma vez que o plástico chega ao mar é quase impossível retirá-lo novamente. “É provável que haja três vezes mais desperdício de plástico até 2040, uma revelação impactante”, disse Simon Reddy.

Reddy pediu aos governos e investidores que reduzam a expansão da produção de plástico. “Sem essa atitude, o fornecimento ao mercado de grandes quantidades de plástico virgem barato pode prejudicar os esforços de redução e substituição e ameaçar a viabilidade econômica da reciclagem, dificultando ainda mais o fechamento da lacuna de coleta [entre resíduos produzidos e resíduos coletados para descarte]”.

Os governos também devem criar incentivos para que as empresas adotem novos modelos, como sistemas de reutilização e recarga, insistiu. “[Isso] nivelaria as margens, porque atualmente o plástico virgem tem uma vantagem de custo em relação aos materiais reciclados”. Também seriam necessários melhores sistemas de coleta em países menos desenvolvidos.

A gestão de resíduos é uma área muitas vezes negligenciada pelos governos dos países em desenvolvimento, onde muitas vezes é deixada para uma economia informal de catadores, que podem sofrer exposição a poluentes e outros perigos. Os catadores geralmente são pagos pelo peso do material que coletam, o que dificulta a coleta de alguns dos produtos plásticos mais perigosos que chegam ao oceano, como material de filme fino.

Embora os catadores e outros trabalhadores em sistemas informais de gerenciamento de resíduos sejam responsáveis por cerca de 60% da reciclagem global de plásticos, “sua contribuição para a prevenção da poluição oceânica dos plásticos passa amplamente despercebida e mal paga”, disse Reddy.

Alice Horton, cientista do Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido, que não participou da pesquisa, disse que reduzir o desperdício de plástico é benéfico para a economia. “Mesmo as abordagens de gestão mais difíceis propostas [no artigo] ainda levarão a um aumento cumulativo da poluição do plástico no meio ambiente”, disse ela. “São necessárias intervenções urgentes e extensivas na produção e gerenciamento de resíduos plásticos. Apesar da escala e dos custos de tais intervenções, essa revisão do sistema provavelmente é economicamente mais viável do que o cenário atual, devido à menor necessidade de produção de novos materiais”.

Stephen Fletcher, professor de política oceânica da Universidade de Portsmouth, que também não participou da pesquisa, disse que as empresas teriam que tomar iniciativas para qualquer solução viável. “A mensagem principal desse artigo é que, mesmo com grandes mudanças na maneira como os plásticos são produzidos, usados, reutilizados e descartados, a poluição plástica na terra e no oceano veio para ficar”, afirmou.

A revisão dos sistemas mundiais de gerenciamento de plásticos e resíduos produziria uma economia de cerca de 18% em comparação com os negócios usuais para contribuintes e governos, observou ele, mas muitas das ações necessárias teriam que ser realizadas pelas empresas e seus custos e incentivos precisariam ser levados em consideração.

Fletcher disse: “É discutível até que ponto é realista essa mudança [na economia global do plástico], mas o artigo demonstra que a necessidade é urgente”.

A Pew Charitable Trusts e a Systemiq, uma consultoria, lideraram a pesquisa, com a colaboração da Ellen MacArthur Foundation e instituições de caridade Common Seas, acadêmicos da Universidade de Oxford e da Leeds University e um painel de 17 especialistas mundiais.

As estimativas não levam em consideração qualquer aumento potencial no volume de resíduos plásticos resultante da pandemia de coronavírus.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais