Notícias

Mais de 22% dos municípios da PB têm risco de epidemia de dengue e JP concentra casos

Compartilhe:     |  12 de março de 2015

Dados do Ministério da Saúde divulgados nesta quinta-feira (12) revelam que 22,5% dos municípios paraibanos correm risco de ter uma epidemia de dengue. A chegada das primeiras chuvas do ano trouxe a proliferação de um velho conhecido da população, o aedes aegypti, mosquito transmissor da doença. Desde janeiro, em mais de 80% dos municípios paraibanos foram registradas vítimas ou encontrados focos com larvas do mosquito.

João Pessoa é o município que notificou o maior número de casos, com 290 registrados. Seguida por Monteiro, no Cariri, com 106 casos; Guarabira, no Brejo, com 48 casos; e Alhandra, na região metropolitana de João Pessoa, com 32.

Os municípios que apresentam maior incidência são Frei Martinho 851,31%; Monteiro, com 326,17%; Santa Helena, com 252,82%; Zabelê, com 182,73%; Alhandra, com 167,92% e Areia de Baraúnas, com 158,39%. De acordo com a Assessoria de Imprensa do MS, a incidência é calculada de acordo com a população do município.

Já os 22,5% que apresentam risco de epidemia são aqueles que estão com um índice acima de 3,9% de infestação nos domicílios que foram visitados. As cidades que apresentaram maior índices por imóveis pesquisados são Catolé do Rocha, com 19,6%; Desterro, com 17,5%; Bom Sucesso, com 11,5%; Bom Jesus, com 11,1%; Alhandra, com 11% e Puxinanã, com 10,3%.

Outros 38,4% dos municípios paraibanos estão em estado de alerta, pois apresentaram índices de infestação nas residências visitadas entre 3,9% e 1%. Apesar de ter apresentado o maior número de casos, João Pessoa está entre as cidades com nível satisfatório, ou seja, abaixo de 1% dos domicílios visitados apresentaram infestação por larvas do mosquito aedes aegipty. A Capital apresentou 0,6%, segundo os dados do Ministério.

Em toda Paraíba foram registrados 848 casos da doença, 14 a mais que o mesmo período do ano passado. Este ano foram registrados dois casos considerados pelo Ministério da Saúde como com sinais de alarme. No ano passado já tinham sido registrados 2 casos graves e 4 com com sinais de alarme. Mas não foi registrada nenhuma morte por causa da doença. Em 2014, duas pessoas morreram em consequência da dengue.

Combate

O Ministério da Saúde informou ainda que no início do ano foram destinados recursos adicionais de R$ 150 milhões e desse total, R$ 3,2 milhões vieram para a Paraíba e foram distribuídos entre a Secretaria Estadual de Saúde e as secretarias municipais das cidades.

A campanha de combate à dengue e ao chikungunya, outra doença transmitida pelo aedes aegypti e que possui sintomas parecidos com os da dengue, vem sendo veiculada desde o ano passado, com o slogan “O perigo aumentou. E a responsabilidade de todos também”.

De acordo com o MS, são divulgadas orientações à população sobre como evitar a proliferação dos mosquitos causadores das doenças e alertar sobre a gravidade das enfermidades. Entre as medidas de prevenção estão manter as caixas d’água e outros recipientes de armazenamento de água fechados; colocar as garrafas com a boca para baixo; não deixar água acumulada sobre a laje ou calhas; manter a lixeira fechada; colocar areia nos pratos das plantas, entre outras.

Os sintomas da dengue são febre alta, dor nas articulações, manchas avermelhadas na pele e dor de cabeça. A recomendação é procurar atendimento médico imediatamente para que o caso seja registrado, a doença seja tratada adequadamente e o mosquito seja combatido através da localização e destruição dos criadouros do mosquito.



Fonte: Portal Correio



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Doação de sangue em animais: como funciona e os requisitos para um animal ser doador

Leia Mais