Notícias

Mais resistente à água máscaras de “parente” da bananeira substituem descartáveis

Compartilhe:     |  11 de agosto de 2020

Cânhamo de Manila, Musa textilis ou ainda abacá. Estes são os nomes dados à fibra e à planta da família Musaceae (a mesma da bananeira) nativa das Filipinas. No país, está crescendo a demanda por esta fibra natural para o setor de saúde. Entre outros usos, ela serve para fabricação de máscaras compostáveis, portanto, menos danosas ao meio ambiente.

A pandemia brecou a luta contra os plásticos descartáveis. Em meio a uma crise sanitária que já levou a óbito mais de 100 mil pessoas, só no Brasil, é compreensível que haja insegurança em relação a reutilização de certos materiais – ainda que em muitos casos, adotando medidas higiênicas, os reutilizáveis sejam seguros.

De todo modo, a área de saúde ainda necessita de produtos descartáveis. Isso não significa ser altamente impactante. É o que mostra a experiência nas Filipinas, país em que a fibra de abacá já é usada para fabricação de saquinhos de chá e cédulas e que agora é empregado na produção de máscaras para proteção facial à Covid-19.

O material é tão durável como o poliéster, mas tem a grande vantagem de se decompor em apenas dois meses.

abacá

Foto: John Washington | CC 4.0

fibra de abacá

Foto: MarvinBikolano | CC 4.0

Um experimento realizado no Departamento de Ciência e Tecnologia do país mostrou que o papel de abacá é mais resistente à água do que uma máscara N-95 comercial e é adequado para filtrar partículas perigosas. Ou seja, além de contribuir para a redução da produção de lixo, trata-se de um produto de qualidade que realmente tem potencial de substituir as máscaras descartáveis comuns.

mascara de abacá
Foto: Departamento de Ciência e Tecnologia das Filipinas

Com tantas benefícios, a demanda por abacá pode aumentar exponencialmente, sendo que 10% da produção será usada para fins médicos – em 2019 foi menos de 1%. A estimativa foi feita por Kennedy Costales, chefe da agência de fibras das Filipinas, ao Bloomberg.

Ao mesmo veículo, Firat Kabasakalli, diretor de uma exportadora da fibra, confirmou que a produção dos fios dobrou. Mesmo o valor sendo mais alto do que as fibras plásticas, o abacá está sendo encomendado por fabricantes de equipamentos de saúde chineses, indianos e vietnamitas.

Máscaras de abacá

Abaixo alguns modelos feitos com a fibra natural que são comercializados nas Filipinas:

Máscaras e geração de lixo

Em fevereiro, circulou nas redes sociais a foto de um homem segurando várias máscaras na praia. Era Gary Stokes, fundador do grupo ambientalista Oceans Asia, que havia encontrado dezenas de máscaras em um trecho de praia de 100 metros em Hong Kong.

Também no litoral norte paulista, em julho, começaram a surgir máscaras nas praias de Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela. As unidades foram recolhidas pelo Instituto Argonauta.

máscaras nas praias
Foto: Divulgação | Instituto Argonauta

“Muitas delas têm tecido sintético e tiras de elástico que perduram por muito tempo, e tudo isso pode durar um tempo no ambiente marinho e fazer mal a fauna marinha”, explica o oceanógrafo Hugo Gallo Neto, diretor executivo do Aquário de Ubatuba e do Instituto Argonauta.

A crise do lixo plástico marinho, já preocupante, pode ser agravada pelo aumento do uso de máscaras cirúrgicas descartáveis. O uso de fibra natural nas Filipinas é um bom exemplo que poderia ser replicado em outros países. Não é preciso plantar o abacá, mas sim considerar as potências locais de cada região que poderiam ser úteis na produção de produtos mais naturais. Uma marca brasileira, por exemplo, já usa um tecido feito a partir do abacaxi na fabricação de sapatos ecológicos. Cada país pode ter seu trunfo e assim vão sendo disseminadas formas mais ecológicas de se viver e consumir.

Para o uso cotidiano, priorize o uso de máscaras de tecido, que são laváveis e reutilizáveis.



Fonte: CicloVivo - Marcia Sousa



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Aromaterapia para cães tem vantagens, mas exige conhecimento

Leia Mais