Notícias

Materiais humanos superam toda a biomassa da Terra: estudo

Compartilhe:     |  9 de janeiro de 2021

A gigante pegada humana estampada em todo o mundo em 2020 é maior do que o impacto no planeta de todos os outros seres vivos, sugere a pesquisa.

A quantidade de plástico por si só é maior em massa do que todos os animais terrestres e criaturas marinhas juntas, estima o estudo.

Embora os seres humanos possam acreditar na “imensidade do globo e na aparente infinidade do mundo natural”, os pesquisadores dizem que queriam fornecer uma medida objetiva e rigorosa da realidade do equilíbrio entre o homem e a natureza.

Suas pesquisas mostram que a atividade humana, incluindo a produção de concreto, metal, plástico, tijolos e asfalto, levou o mundo a um ponto de cruzamento onde a massa humana – impulsionada principalmente pelo aumento do consumo e do desenvolvimento urbano – excede a biomassa viva global na Terra.

Em média, cada humano no mundo é responsável pela criação de matéria feita por humanos que ultrapassa seu peso corporal a cada semana, diz o artigo publicado na Nature.

A pesquisa descobriu que o peso da humanidade vem aumentando rapidamente desde o início do século XX, dobrando a cada 20 anos.

Os pesquisadores apoiam uma proposta para nomear a época atual como Antropoceno, refletindo o impacto abrupto e significativo da atividade humana.

Ron Milo, do Instituto Weizmann de Ciência em Rehovot, Israel, e colegas examinaram mudanças na biomassa global e na massa humana de 1900 até os dias atuais. Eles calcularam estimativas de peso seco, excluindo a água. A massa antropogênica é definida como a massa em objetos sólidos inanimados feitos por humanos e não inclui resíduos.

As categorias dominantes na análise foram a massa humana na forma de edificações e infraestrutura, composta por concreto, agregados, tijolos e asfalto. Quanto à biomassa global, a maioria é contabilizada por plantas.

Eles descobriram que, no início do século XX, a massa de objetos produzidos pelo homem era igual a cerca de 3% da biomassa total do mundo. Mas, em 2020, a massa humana atingiu cerca de 1,1 teratonnes, superando a biomassa global global.

Como a massa humana aumentou, também o impacto na biomassa vegetal. “Desde a primeira revolução agrícola, a humanidade reduziu pela metade a massa de plantas”, escrevem os autores. “Embora a agricultura moderna utilize uma área de terra crescente para o cultivo das culturas, a massa total de culturas domesticadas é muito superior à perda de massa vegetal resultante do desmatamento, manejo florestal e outras mudanças no uso da terra. Essas tendências de biomassa global afetaram o ciclo do carbono e a saúde humana.”

Ao longo das décadas, há aumentos e reduções do impacto humano, incluindo aumentos acentuados após a mudança na década de 1950 de tijolos para concreto e o uso de asfalto para pavimentações na década de 1960.

“As mudanças na massa antropogênica total estão ligadas a eventos globais, como guerras mundiais e grandes crises econômicas”, diz o documento. Mais notavelmente, há aumentos contínuos na massa humana de mais de 5% ao ano a partir do período imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, que ficou conhecida como a “grande aceleração” e foi caracterizada pelo aumento do consumo e do desenvolvimento urbano.

Por outro lado, em tempos de recessão, o peso da pegada humana diminui. Há reduções importantes vistos durante a Grande Depressão e a queda do petróleo de 1979.

“A face da Terra no século XXI é afetada de forma sem precedentes pelas atividades da humanidade e pela produção e acúmulo de objetos feitos pelo homem”, dizem os pesquisadores.

Desde 1900 a biomassa global diminuiu ligeiramente, enquanto a massa humana aumentou rapidamente para uma taxa de produção de mais de 30 trilhões de toneladas (30.000.000.000.000 toneladas) por ano.

“Este estudo se junta aos esforços recentes para quantificar e avaliar a escala e o impacto das atividades humanas em nosso planeta”, diz o documento. “Os impactos dessas atividades têm sido tão abruptos e consideráveis que foi proposto que a época geológica atual seja renomeada para Antropoceno. Nosso estudo confirma rigorosamente e quantitativamente essa proposta.”



Fonte: Ambiente Brasil - Hypescience



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais