Notícias

Médicos pedem que grávidas não usem sabonetes antibacterianos

Compartilhe:     |  11 de agosto de 2014

Mulheres grávidas estão sendo alertadas para não fazerem uso de sabonetes antibacterianos. O motivo é que o seu uso pode afetar tanto a saúde da gestante como também a de seu bebê.

Hoje, durante o encontro anual da American Chemical Society, cientistas vão falar sobre a crescente preocupação do uso do uso de compostos antibacterianos que podem estar afetando a saúde ambiental.

Na pesquisa mais recente, que será apresentada durante o encontro, os especialistas vão revelar uma ligação entre a exposição a esses produtos químicos e como ele pode interferir no tamanho do bebê. À longo prazo, isso pode causar uma mudança sutil, mas em grande escala nos tamanhos de recém-nascidos, eles advertem.

Benny Pycke, da Universidade Estadual do Arizona e também um dos envolvidos nesse novo estudo, disse que as provas mostram cada vez mais que os compostos podem levar a problemas de desenvolvimento e reprodução em animais – e, potencialmente, em seres humanos.

Em 2010, por exemplo, pesquisadores da Universidade da Flórida descobriram que o triclosan esconde uma enzima ligada ao metabolismo do estrogênio. Durante a gestação, esta enzima, chamada estrogênio sulfotransferase, ajuda a metabolizar o hormônio feminino e o leva através da placenta para o feto em desenvolvimento.

De acordo com pesquisadores da revista Environment International, quando o estrogênio chega até a placenta, passa a ter um papel crucial no desenvolvimento do cérebro e da regulação de genes dos bebês.

Algumas pesquisas também sugerem que os aditivos em sabonetes antibacterianos podem contribuir para a resistência aos antibióticos, um problema crescente de saúde pública. Triclosan e triclocarban são utilizados em mais de 2.000 produtos de uso diário comercializados como antimicrobianos. Esses produtos incluem pastas de dentes, sabonetes, detergentes, tapetes, tintas, material escolar e brinquedos.

Em artigo na revista EMBO Reports, eles disseram que alguns dos produtos químicos são encontrados em filtro solar. De acordo com a lista, o triclosan, um agente antibacteriano que é menos usado agora do que no passado, ainda pode ser encontrado em alguns sabonetes e creme dental.

Em maio deste ano, um estudo diretamente ligado a produtos químicos de uso domésticos revelou, pela primeira vez, que estes produtos podem causar danos aos espermatozoides.

Os cientistas disseram que os produtos químicos ‘onipresentes’ em produtos de uso diário, incluindo pasta de dentes, sabonete e protetor solar, pode estar contribuindo para problemas de fertilidade difundidos no mundo ocidental.

Pesquisadores alemães e dinamarqueses testaram quase 100 produtos químicos, todos os dias – e descobriram que um terço dos espermatozoides são afetados por eles. Os testes de laboratório, utilizando um nível de produtos químicos semelhantes ao que o corpo geralmente é exposto revelou que esses produtos podem afetar o nado dos espermatozoides.

Eles também podem levar a uma rápida libertação de compostos essenciais para a fertilização e fazer esperma menos sensível aos hormônios sexuais femininos. Essas mudanças poderiam tornar mais difícil para os espermatozoides chegar até o óvulo.

Já no Arizona, um novo estudo submeteu mulheres grávidas e seus fetos ao triclosan e triclocarban, dois dos assassinos de germe mais comumente usados em sabonetes e outros produtos de uso diário. De acordo com os pesquisadores, amostras de triclosan foram encontradas em todas as amostras de urina de mulheres grávidas analisadas. Também detectaram triclosan em cerca de metade das amostras de sangue do cordão umbilical, o que significa que há transferência para os fetos. Triclocarban também foi encontrado em muitas amostras.

Pior, que isso foi a descoberta da pesquisadora Laura Geer, da Universidade Estadual de Nova York. Ela diz que o estudo descobriu uma ligação entre mulheres com níveis mais elevados de outro antimicrobiano chamado butilparabeno amplamente utilizado – muitas vezes utilizados em cosméticos – e o tamanho mais baixo dos recém-nascidos.

No final de maio, Minnesota se tornou o primeiro estado a proibir o uso de triclosan na maioria dos produtos de higiene do consumidor. A proibição entrará em vigor em Jnauary 2017.

A FDA e a Agência de Proteção Ambiental, também está revendo o uso e os efeitos dos compostos.



Fonte: Jornal Ciência



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Quetzal: uma ave bela e misteriosa

Leia Mais