Notícias

Metade das crianças americanas não bebe água suficiente, diz estudo

Compartilhe:     |  13 de junho de 2015

Levar uma garrafa na bolsa ou na mochila, manter um copo sempre perto, não consumir o líquido só quando está calor talvez sejam medidas necessárias. Um novo estudo da Faculdade de Saúde Pública de Harvard mostrou que mais da metade das crianças e adolescentes nos Estados Unidos não está bebendo água o suficiente.

A pesquisa, publicada na “American Journal of Public Health” também constatou diferenças raciais/étnicas e de gênero no estado de hidratação. Os meninos são 76% mais propensos do que as meninas a ficarem desidratados, e negros não-hispânicos são 34% mais propensos do que os brancos não-hispânicos. Quase um quarto das crianças e adolescentes relatou que não bebia água.

“A boa notícia é que este é um problema de saúde pública com uma simples solução”, afirmou o autor sênior Steven Gortmaker, professor da prática da sociologia da saúde. “Se podemos nos concentrar em ajudar as crianças a beber mais água – uma bebida de baixo custo e sem calorias – podemos melhorar seu estado de hidratação, o que pode permitir que muitas crianças se sintam melhor durante o dia e vão melhor na escola.”

Beber água é essencial para os processos fisiológicos, tais como a circulação, o metabolismo, a regulação da temperatura e a remoção de resíduos. Embora a desidratação excessiva esteja associada a graves problemas de saúde, a leve desidratação já pode causar problemas, incluindo dores de cabeça, irritabilidade, piores desempenho físico, e redução do funcionamento cognitivo.

Os pesquisadores analisaram dados de 2009-2012 de mais de 4 mil crianças e adolescentes com idades entre 6 a 19, examinando a concentração da urina para determinar a hidratação. Os dados foram retirados da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição do país, um estudo anual realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).



Fonte: O Globo



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais