Notícias

Microrganismos confundiram datação de evento de extinção em massa

Compartilhe:     |  20 de novembro de 2020

Assinaturas químicas de esteiras microbianas haviam atrapalhado os pesquisadores, que pensavam que a Extinção do Triássico-Jurássico – marco inicial do domínio dos dinossauros sobre a Terra – ocorrera antes da época correta

Uma pesquisa internacional liderada pela Universidade Curtin (Austrália) lançou uma nova luz sobre quando ocorreu um dos maiores eventos de extinção em massa na Terra, a chamada Extinção do Triássico-Jurássico, há cerca de 200 milhões de anos. O estudo fornece um novo significado em relação ao que matou a vida triássica e permitiu a expansão ecológica dos dinossauros no período Jurássico. Um artigo sobre esse trabalho foi publicado na revista “PNAS”.

A pesquisa examinou biomarcadores (fósseis moleculares) e suas composições isotópicas estáveis ​​que sugerem a extinção em massa do final do Triássico de criaturas pré-históricas, como conodontes e fitossauros. Essa extinção começou após uma erupção vulcânica que expeliu gás carbônico na atmosfera. Isso interrompeu o ciclo natural do carbono da Terra e desencadeou uma reação em cadeia de eventos ambientais.

Essa ruptura de carbono levou a águas oceânicas ácidas. Estas, por sua vez, afetaram delicados ecossistemas marinhos e levaram a outras mudanças planetárias desfavoráveis.

Segundo o dr. Calum Peter Fox, do WA-Organic and Isotope Geochemistry Center (WA-OIGC) da Escola da Terra e das Ciências Planetárias da Universidade Curtin e autor principal do estudo, a equipe analisou biomarcadores extraídos de rochas coletadas no Canal de Bristol (Reino Unido). Nesse material ela encontrou evidências de esteiras microbianas (também conhecidas como tapetes microbianos), que são comunidades complexas de microrganismos.

Fáceis de observar

“Por meio de nossa análise da assinatura química dessas esteiras microbianas, além de vermos a mudança no nível do mar e a renovação da coluna de água, descobrimos que a extinção em massa do final do Triássico ocorreu mais tarde do que se pensava”, disse Fox.

Ele explicou que pesquisas anteriores sugerem que a extinção ocorreu onde agora sabemos que as esteiras microbianas floresceram. As assinaturas químicas deixadas por esses micróbios antigos complicaram o registro da rocha. Isso levou outros a acreditar que foi ali que a extinção ocorreu.

“As esteiras microbianas registradas nas amostras do Reino Unido são comparáveis às esteiras microbianas existentes como em Shark Bay, na Austrália Ocidental. É incrível considerar que comunidades microbianas semelhantes que confundiram o momento de uma das maiores extinções da Terra há milhões de anos estão em nossas costas e são tão fáceis de observar por nós mesmos”, disse Fox.

Alerta para extinções

A profª Kliti Grice, também do WA-OIGC da Escola da Terra e das Ciências Planetárias da Universidade Curtin e coautora do artigo, afirmou que os resultados da pesquisa não apenas apresentaram uma nova teoria do que deu início à extinção do final do Triássico, mas também forneceram um tipo de alerta para o potencial futuro eventos de extinção em massa na Terra.

“Nossa recente pesquisa mostra que esteiras microbianas desempenharam funções importantes em vários eventos de extinção em massa, bem como um papel na preservação de restos de vida, incluindo tecidos moles de organismos mortos em circunstâncias excepcionais”, disse Grice. “Saber mais sobre os níveis de dióxido de carbono presentes durante o evento de extinção em massa no final do Triássico nos fornece detalhes importantes que podem ajudar a proteger nosso meio ambiente e a saúde de nossos ecossistemas para as gerações futuras.”



Fonte: Revista Planeta



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais