Notícias

Minúsculas, diversas e extremamente ameaçadas, salamandras correm o risco de desaparecer

Compartilhe:     |  27 de novembro de 2016

Três novas espécies das minúsculas salamandras do gênero Thorius, os menores vertebrados terrestres com cauda do mundo, foram descobertas nas altas montanhas de Oaxaca, México. Assim como outras do mesmo grupo, são surpreendentemente pequenas, com aproximadamente dois centímetros de comprimento e com diferenças muito sutis entre elas, que levaram décadas de estudos para serem identificadas.

A descrição da T. pinicola, da T. longicaudus e da T. tlaxiacus foi publicada na edição de 15 de novembro da revista científica Peer J. Para diferenciá-las, foi necessária uma combinação de sofisticadas análises moleculares, que incluem o sequenciamento genético, tomografia computadorizada e estudos da anatomia interna e externa dos bichos. Agora, o número conhecido de espécies do gênero chega a 29, quase todas elas ameaçadas de extinção devido a perda de habitat.

Essas salamandras pigmeias do gênero Thorius foram descritas pela primeira vez no século XIX. Por 75 anos acreditou-se que se tratava de uma única espécie, até a identificação de nove espécies diferentes entre as décadas de 1940 e 1960. Nos anos 1970s, os biólogos descobriram que o gênero tinha uma diversidade ainda maior, embora todas muito parecidas, o que dificultava a identificação. As características de cada uma foram reveladas graças a técnicas moleculares, que levaram então a descobertas de pequenas diferenças na anatomia também.

Endêmicas do México, elas eram muito abundantes, mas enfrentaram um rápido declínio das últimas três décadas e meia. Hoje é difícil de encontrar uma na natureza, não por serem pequenas, mas por terem se tornadas raras. O gênero é considerado o mais ameaçado entre os anfíbios do mundo, segundo os autores do estudo. O reconhecimento da diversidade ao mesmo tempo em que aumenta o risco de extinção é uma tendência global entre os anfíbios.

O número de espécies de salamandras, anuros e cobras-cegas conhecidos tem aumentado num ritmo de 3% ao ano nas últimas três décadas. Em 1985, eram conhecidas aproximadamente 4 mil espécies, hoje são mais de 7,5 mil, com novas sendo acrescidas à lista quase todos os dias. Infelizmente, a revelação desta diversidade coincide com um rápido declínio global desses animais. Os autores do estudo alertam que existe um risco real do gênero Thorius desaparecer nos próximos 50 anos.



Fonte: ((O))eco - Vandré Fonseca



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais