Notícias

Moluscos são os frutos do mar mais contaminados por microplásticos

Compartilhe:     |  29 de dezembro de 2020

Mexilhões, ostras e vieiras têm os maiores níveis de contaminação microplástica entre os frutos do mar, revelou um novo estudo conduzido pelas Universidades de Hull e York, ambas no Reino Unido. A pesquisa, compartilhada na quarta-feira (23) no Environmental Health Perspectives, é resultado da análise de outros 50 estudos, publicados entre 2014 e 2020, sobre a presença de microplásticos em peixes, moluscos e crustáceos.

“Ninguém ainda entende totalmente o impacto total dos microplásticos no corpo humano, mas as primeiras evidências de outros estudos sugerem que eles causam danos”, afirmou Evangelos Danopoulos, um dos coautores do artigo, em comunicado. “Uma etapa crítica para entender o impacto total do consumo humano é estabelecer completamente quais níveis de microplásticos (MPs) as pessoas estão ingerindo. Podemos começar a fazer isso observando quantos frutos do mar e peixes são comidos e medindo a quantidade de MPs nessas criaturas.”

De acordo com os especialistas, o nível de contaminação era de até 10,5 microplásticos por grama (MPs/g) em moluscos, até 8,6 MPs/g em crustáceos e até 2,9 MPs/g em peixes. Os moluscos coletados na costa da Ásia foram os mais contaminados, sugerindo que essas áreas são mais poluídas por plástico.

A pesquisa aponta para a necessidade de padronizar os métodos de medição da contaminação microplástica para que diferentes medições possam ser comparadas mais facilmente. Além disso, os estudiosos disseram que são necessários mais dados de diferentes partes do mundo para entender como os níveis de MPs varia entre os diferentes oceanos, mares e vias navegáveis.

“Microplásticos foram encontrados em várias partes de organismos, como os intestinos e o fígado. Espécies de frutos do mar como ostras, mexilhões e vieiras são consumidos inteiros, enquanto em peixes maiores e mamíferos apenas partes são consumidas”, explicou Danopoulos. “Portanto, é fundamental compreender a contaminação microplástica de partes específicas do corpo e seu consumo por humanos.”



Fonte: Revista Galileu



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais