Geografia Ambiental

Mudança climática afeta estabilidade do oceano mais rápido do que se pensava

Compartilhe:     |  28 de março de 2021
Crédito: Reprodução/Pexels

Tomando dados de 50 anos sobre o desacoplamento das águas superficiais do oceano, o estudo levantou alarmes sobre o papel que o termostato global desempenha (Crédito: Reprodução/Pexels)

A mudança climática é mais do que uma questão de temperatura para o oceano. Segundo pesquisas, todas as emissões de carbono das atividades humanas absorvidas pelo oceano também têm um efeito negativo.

Um estudo intitulado “O verão aumenta na estratificação do oceano superior e na profundidade de camadas mistas”, publicado em 24 de março na revista Nature,  revela que as mudanças climáticas causaram mudanças significativas na estabilidade do oceano mais rápido do que se pensava anteriormente.

Tomando dados de 50 anos sobre o desacoplamento das águas superficiais do oceano profundo, de 1970 a 2018, o estudo levantou alarmes sobre o papel que o termostato global desempenha e a vida marinha que ele suporta.

A mistura da superfície do oceano regula o clima global, controlando o calor e a troca de carbono entre o interior do oceano e a atmosfera. Além disso, a mistura oceânica permite que os ecossistemas marinhos prosperem, pois a camada mista hospeda a maior parte da produção primária do oceano para fornecer o local principal para a oxigenação das camadas oceânicas profundas.

Mas a mudança climática está mudando a camada mista do oceano. O contraste entre a superfície da água mais quente e a água abaixo é ainda intensificado pelas mudanças climáticas. O aquecimento global também não ajuda porque faz com que uma grande quantidade de água doce flua para os mares a partir do derretimento das camadas de gelo e das geleiras, o que reduz a salinidade da superfície superior.

Além disso, a camada de barreira que separa a superfície do oceano das águas profundas se fortaleceu em todo o mundo em um ritmo mais rápido e os pesquisadores descobriram que a força do vento também aumentou devido às mudanças climáticas que aprofundaram a camada da superfície do oceano em cinco a dez metros por década nos últimos 50 anos.

A interrupção da mistura dos oceanos afeta o ecossistema marinho, especialmente os animais que vivem na camada superficial, e afeta a cadeia alimentar que depende do fitoplâncton.

Mas, uma vez que o fitoplâncton é empurrado mais fundo na água e longe da luz que o ajuda a crescer, ele perturba a teia alimentar mais ampla e representa uma mudança fundamental na estrutura subjacente dos oceanos.

Os cientistas estão alertando para as implicações potenciais do aquecimento dos oceanos, informou a União Internacional para a Conservação da Natureza ( IUCN ). Uma pesquisa de 2019 revelou que a mudança climática pode esvaziar um quinto de todas as criaturas vivas no oceano até o final do século.

Os pesquisadores também sugeriram que a estratificação global dos oceanos aumentou 5,3% de 1960 a 2018, o que tem implicações profundas e preocupantes, incluindo mais furacões devido ao aquecimento da superfície dos oceanos.



Fonte: IstoÉ Dinheiro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Pet diferente: 10 curiosidades sobre coelhos

Leia Mais