Notícias

Mudanças climáticas alteram os padrões globais de precipitação

Compartilhe:     |  26 de dezembro de 2020

variação nas diferenças de temperatura entre os trópicos e as regiões polares desempenha um papel fundamental no controle da circulação atmosférica e, em consequência, é uma potencial causa futura das mudanças climáticas regionais.

sistema climático da Terra é amplamente determinado pelas diferenças de temperatura entre os trópicos e os pólos. O aquecimento global provavelmente fará com que a circulação atmosférica global mude e progressivamente reverta para uma situação semelhante à de 5.000 a 10.000 anos atrás.

Esta é a conclusão de um estudo realizado por uma equipe de pesquisa liderada pelo Dr. Michael Deininger, cujos resultados foram publicados na Nature Communications.

No Instituto de Geociências da Johannes Gutenberg University Mainz (JGU), Deininger investigou como os sistemas climáticos regionais mudaram desde o início do atual período interglacial há cerca de 10.000 anos e que conclusões podem ser tiradas disso. Para fazer isso, o paleoclimatologista analisou dados de séries temporais de chuva registradas em vários arquivos climáticos. “Pudemos reconstruir com precisão a precipitação de verão nas regiões das monções na África e na América do Sul, comparar esses dados com mudanças na precipitação nas latitudes médias do norte e relacionar isso às mudanças na temperatura”, explicou Deininger. O estudo também envolveu cientistas da AustráliaBrasilMéxicoIrlandaÁustria e África do Sul.

Sincronismo no desenvolvimento de padrões de precipitação nas várias regiões nos últimos 10.000 anos

Como a Terra é aquecida mais no equador do que nos polos devido à distribuição diferente da radiação solar, desenvolve-se um gradiente de temperatura que, para colocar em termos simples, faz com que a circulação atmosférica transporte energia em direção aos polos. Mudanças nessa diferença de temperatura relacionada à radiação solar irão, por sua vez, influenciar a circulação atmosférica e, portanto, também os padrões regionais de precipitação.

O novo estudo mostra que, nos últimos 10.000 anos, as mudanças na precipitação regional nas latitudes do norte, na África e na América do Sul foram mais ou menos sincronizadas. “Argumentamos que essas variações climáticas regionais estão conectadas e são causadas principalmente por alterações na radiação solar e as diferenças de temperatura associadas entre os trópicos e as regiões polares”, afirmou Deininger.

Aprendendo com o passado para beneficiar o futuro

Os pesquisadores envolvidos no estudo estavam particularmente interessados na questão de saber se é possível aprender com o passado para beneficiar o futuro. Com o atual nível de aquecimento global, o gradiente de temperatura entre o equador e os polos está sendo reduzido – especialmente devido ao fato de que o aquecimento no Ártico tem um efeito particularmente acentuado.

Isso pode enfraquecer os ventos de oeste em latitudes médias no hemisfério norte, causar uma monção sul-americana mais fraca e uma monção africana mais forte, ao mesmo tempo que pode levar a níveis mais baixos de precipitação na zona de chuvas de verão do sudeste da África. As consequências disso podem ser mudanças nos padrões regionais de precipitação, podendo causar secas em algumas áreas e inundações em outras.

Referência:

Deininger, M., McDermott, F., Cruz, F.W. et al. Inter-hemispheric synchroneity of Holocene precipitation anomalies controlled by Earth’s latitudinal insolation gradients. Nat Commun 11, 5447 (2020). Disponível aqui.



Fonte: IHU On-Line - EcoDebate - A tradução e edição são de Henrique Cortez



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Estresse passa do dono para o cachorro

Leia Mais