Notícias

Mulher compra cão e meses depois descobre que o animal é uma raposa

Compartilhe:     |  13 de maio de 2018

Uma chinesa, que não teve a identidade revelada, comprou um filhote de cachorro e, três meses depois, descobriu que, na verdade, o animal é uma raposa.

Tratado como uma mercadoria, o animal foi vendido por 140 libras, o equivalente a R$ 683, como se fosse um cachorro da raça spitz japonês. As informações, do jornal The Sun, foram divulgadas pelo portal GaúchaZH.

Conforme passou a conviver com ele, a mulher percebeu que ele não apresentava o comportamento natural de um cão – ele nunca havia latido, por exemplo – e após ele começar a se negar a comer ração para cachorros e a desenvolver uma longa cauda com pelos mais grossos, a chinesa percebeu que o animal  se tratava de uma raposa.

Nota: A ANDA repudia o comércio de animais, sejam domésticos, silvestres ou domesticados, por entender que vidas não devem ser tratadas como mercadorias passíveis de comercialização. Sere vivos não podem, em hipótese alguma, ser explorados como se fossem objetos para gerar lucro aos seres humanos. Entretanto, tão importante quanto boicotar o comércio de animais – que, inclusive, está repleto de casos de maus-tratos – e optar por salvar uma vida, adotando, ao invés de deixá-la morrer na rua para escolher um animal que está à venda, é importante também conscientizar a sociedade acerca da necessidade de não domesticar, tampouco comercializar e aprisionar em cativeiro, espécies silvestres, como a raposa da notícia que, lamentavelmente, foi vítima da ganância humana, que a retirou do habitat e a vendeu como mercadoria – prática extremamente repudiável e que deve ser combatida.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais