Notícias

“Nada” foi feito para conter a variante da Covid do Brasil que assusta o mundo

Compartilhe:     |  17 de fevereiro de 2021

Enquanto o mundo tenta se prevenir da disseminação de três novas variantes do coronavírus, o Brasil nada fez para investigar e conter a cepa de Manaus. O alerta é da epidemiologista e enfermeira Ethel Maciel, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). “Os países de fora do Brasil estão mais preocupados com a nossa variante do que nós mesmos”, diz a especialista.

Os problemas relacionados ao aparecimento da “variante brasileira”, como está sendo conhecida no exterior, começaram desde sua descoberta. A linhagem foi identificada não pelas autoridades sanitárias brasileiras, mas sim pelo Japão, que identificou a cepa em viajantes que acabavam de desembarcar de Manaus.

“Imediatamente, deveríamos ter feito uma coisa básica em epidemiologia: o cerco sanitário, com controle de entrada e saída, cancelamento de voos, quarentena, semelhante ao que aconteceu em Wuhan e que os países agora fazem com a gente”, afirma a pós-doutora na área pela Johns Hopkins University, de Washington. “Nós não fizemos nada. Nada. Não teve nenhuma ação. É por isso que a gente acredita que essa variante já se espalhou, porque não houve nenhum controle. Os voos continuaram normalmente”, destaca.

Maciel sublinha que, apesar da descoberta da nova linhagem e do aumento do número de internações e mortes por coronavírus na capital do Amazonas, o Ministério brasileiro da Saúde tampouco aprofundou os conhecimentos sobre o mapeamento genético do vírus. Quase dois meses depois, a cientista diz que “sabe-se pouquíssimo” a respeito da nova cepa, mais contagiosa e que, portanto, coloca em xeque a estratégia de vacinação em curso no país.

“É claro que, nesse momento, os pesquisadores, da Fiocruz, do [Instituto] Adolfo Lutz e outras universidades e instituições estão intensificando as pesquisas, mas não estamos tendo um direcionamento do Ministério da Saúde”, lamenta a professora da UFES. “Hoje, a gente precisa falar para fora do Brasil para as pessoas saberem o que está acontecendo aqui. Estamos com um governo negacionista que, infelizmente, ainda defende tratamento precoce, com hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina, que sabemos que não funcionam no combate à Covid-19.”

Vacinação ameaçada

Na medida em que os países avançam a vacinação contra o coronavírus, causou desânimo a notícia de que a eficácia da vacina da AstraZeneca contra a variante sul-africana do vírus caiu para apenas 22%, nesse início de semana. A queda não coloca a estratégia de imunização na estaca zero, mas ressalta a importância de um plano nacional, rápido e eficaz de aplicação das doses já existentes.

“A preocupação é não deixar o vírus circular muito para ele não ganhar outras vantagens. Contra essas que ele adquiriu, a gente ainda pode conseguir vencer com o que temos”, explica a pesquisadora. “As fabricantes farão modificações nas vacinas. As de RNA, uma tecnologia muito moderna que veio para ficar, podem ser modificadas muito facilmente, porque é tudo programado por computador.”

Entenda como as novas variantes “enganam”a vacina

Faz parte da natureza de vírus RNA (ácido ribonucleico) ter muitas mutações – mais de 4 mil já foram registradas no Sars-Cov2 até agora. Entretanto, essas três últimas conhecidas – do Reino Unido, da África do Sul e do Brasil – geraram mudanças na proteína spike, as “pontinhas” do vírus, que permitem que ele penetre mais facilmente nas células humanas. O problema é que a maioria dos imunizantes desenvolvidos até agora atuam justamente nessa parte do vírus.

“Como ele fez a modificação nesse lugar que as vacinas agem, ele está ‘enganando’ o sistema imunológico de quem já foi vacinado. A vacina faz o treinamento do nosso organismo para reconhecer e reagir contra o vírus. É como se ela fosse um retrato falado do agressor”, exemplifica a professora. “A variante faz com que o nosso sistema imunológico não esteja mais conseguindo reconhecer tão bem aquele retrato falado.”

A pesquisadora frisa que, por mais que as mutações enfraqueçam a imunização em curso – pelo menos no caso da África do Sul –, a vacina ainda se mostra igualmente eficaz para prevenir formas graves e a morte de doentes de Covid-19. Por conta das deficiências na resposta ao surgimento da variante do Brasil, ainda não há dados sobre a perda ou não da eficiência dos imunizantes contra a cepa brasileira, sublinha Maciel.

“Para o vírus, não é interessante nos causar uma doença mais grave, que leve à morte rapidamente. Ele quer poder se multiplicar para contagiar mais pessoas”, lembra a cientista.



Fonte: RFI



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Características da inteligência canina: curiosidades que você precisa saber (estudo)

Leia Mais