Notícias

Conscientização: Nem tudo são flores – Iemanjá e o lixo no mar

Compartilhe:     |  31 de janeiro de 2019

Apesar de campanhas de conscientização e apelo religioso, devotos de Iemanjá seguem poluindo o mar com oferendas não degradáveis no dia do orixá

É muita contradição: para presentear uma divindade, você joga lixo na casa dela. Claro que quem oferta não enxerga assim, mas na prática, as toneladas de “presentes” compostos por materiais que não se degradam atirados no mar para Iemanjá – o orixá considerado mãe de todos os orixás no candomblé e na umbanda – poluem, e muito, o ambiente marinho. A tradição é antiga, mas hoje já sabemos quais os componentes que não se decompõem e o quanto eles prejudicam os animais aquáticos, que confundem essas partículas com comida, morrendo sufocados ou por insuficiência digestiva.

Sereia de Itapuã. Foto: Alisson Louback

Ainda que módicas campanhas de conscientização sejam feitas há algumas décadas por prefeituras e organizações Brasil afora, é assim que há mais de 90 anos em todo dia 02 de fevereiro, os devotos reverenciam a rainha do mar. São balaios de isopor cheios de flores, frascos de perfume, garrafas de champanhe, velas, espelhos, bijuterias, bonecas, pentes e uma infinidade de artigos despejados de embarcações, em alto mar, ao longo da costa litorânea  brasileira, promovendo a poluição marítima, cujas consequências são irreversíveis inclusive para a saúde humana.

Em 2016 a iniciativa Fundo Limpo recolheu, em apenas duas horas, 150 quilos desses objetos nas águas dos arredores da casa de Iemanjá, no Rio Vermelho, em Salvador, onde cerca de 600 mil pessoas participaram da maior festa para o orixá no Brasil. Só da praia, a prefeitura retirou 60 toneladas. Há 5 anos o órgão promove a iniciativa Balaio Verde, que incentiva que sejam entregues apenas flores e objetos biodegradáveis, como os feitos de palha, papel e madeira. “Ao invés de jogar o frasco, perfume as flores”, recomenda a campanha, que no entanto só é lançada poucos dias antes da festa nas redes sociais da prefeitura, o que deixa sua eficácia um tanto duvidosa.

A assessoria da Secretaria da Cidade Sustentável e Inovação (SECIS), em Salvador, garantiu que a campanha seria lançada cerca de 20 dias antes da festa, mas até a presente data, 29/01, nada consta nas redes sociais do órgão. “Mesmo sem indicadores da eficácia da ação, consideramos que estamos fazendo a nossa parte para conscientizar o cidadão a reverenciar Iemanjá sem poluir o mar e as praias”, declarou em nota.

Adaptação dos ritos em novos tempos

O fato é que não seriam necessárias campanhas de conscientização para quem se diz filho de um ser a quem justamente se atribui a proteção da vida marinha. O assustador aumento de detritos nos oceanos – sobretudo o plástico – e o perigo que ele representa, é exaustivamente anunciado por especialistas na imprensa mundial há décadas. Nem mesmo o alarmante estudo de que em 2050 haverá mais plásticos nos mares do que peixes, (divulgado no Fórum Econômico Mundial de Davos em 2016), parece convencer devotos de vários terreiros baianos, que no ano passado foram vistos levando balaios cheios de aparatos nada sustentáveis para atirar ao mar.

Sem falar nos próprios pescadores do Rio Vermelho, que na mesma data pediram um mar farto de peixes para Iemanjá atirando em suas águas uma escultura de cerca de dois metros de altura feita de fibra de vidro. Novamente a contradição.

“O monumento vai virar uma região de corais no  fundo do mar, sem prejudicar o meio ambiente”, declarou na época o presidente da colônia de pescadores local, Marcos Souza.

Até Mãe Stella de Oxóssi,uma das maiores representantes do Candomblé no país –  morta no último dia 27 de dezembro – decretou em 2015 que os filhos do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá não poluiriam mais. “Meus filhos serão orientados a oferendar Iemanjá apenas com cânticos. A festa se tornou muito grande e manter esse hábito será nocivo para as próximas gerações. Os ritos devem ser adaptados às transformações do planeta e da sociedade, a essência dos mitos, jamais!”, declarou em carta publicada no jornal baiano A Tarde.

Prevenir e reduzir o  lixo marinho é um dos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela ONU (Organização das Nações Unidas), no intuito de proteger a vida abaixo da água, mas isso não pode ser alcançado sem a implementação de uma gestão efetiva de resíduos.

Impossível não considerar o fator tradicional e religioso deste ato, porém, como disse mãe Stella, agora os tempos são outros. Religião à parte, uma pergunta basta para concluir a necessidade de uma mudança na escolha das oferendas: “Iemanjá, sendo a rainha do mar, ficaria feliz ao ver sua casa suja e seus animais morrendo?” Certamente que não. Se polui o território regido por ela, não é presente.

Que em 2019 possamos comprovar a evolução de nossa espécie neste sentido. E que Iemanjá nos abençoe. Ou não.



Fonte: Envolverde - Clarissa Beretz



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais