Notícias

No interior de SP, casas abandonadas viram criadouros do Aedes aegypti

Compartilhe:     |  17 de fevereiro de 2019

Nesta época de chuvas, no interior de São Paulo a preocupação é com a quantidade de casas e terrenos abandonados que viraram abrigos para o mosquito da dengue.

Numa casa abandonada em um bairro de classe alta de Bauru, a piscina se transformou num grande criadouro do Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Outra piscina virou um depósito de lixo e de entulho. Dor de cabeça para o massoterapeuta Reginaldo Moreno, que já foi picado pelo mosquito da dengue.

“Eu fiquei revoltado por este sentido, porque a gente cuida do nosso quintal e as pessoas não cuidam do seu. E eu acabei pegando por culpa disso”, contou Reginaldo.

Casas e terrenos abandonados estão tirando o sono dos moradores do interior paulista. Em Bauru, a estimativa da prefeitura é de que 50 mil imóveis estejam nesta situação.

As cidades de Bauru, Agudos e Botucatu, no Centro-Oeste paulista, já decretaram estado de emergência por causa da dengue e contrataram empresas terceirizadas para limpar os quintais de quem não cuida. Os donos vão ser multados e terão que pagar pela limpeza.

Em sete municípios do interior, quase dez mil casos de dengue foram registrados só em 2019. A preocupação das autoridades de saúde é com uma epidemia de dengue tipo 2, vírus mais agressivo da doença e que estava fora de circulação há quase dez anos.

“Quando a gente já teve um tipo de dengue e se contamina com outro sorotipo, aí tem uma chance maior de ter complicações”, disse a médica infectologista Geovana Nogueira de Lima.

É o caso do assistente operacional Gabriel Lara Pires, que foi diagnosticado com dengue pela terceira vez.

“Comecei com dor no corpo bem forte. No outro dia já começou a dar febre, dor de cabeça bem forte também e uma fraqueza. Agora tem que ficar quietinho aqui e esperar melhorar”, disse.

Mário Ramos, diretor do Departamento de Saúde Coletiva de Bauru, especialista em saúde pública faz um alerta:

“80% da infestação do Aedes está dentro das casas das pessoas: um ralo, a bandeja da geladeira. Se a gente não tiver esse ato de vistoriar nossos imóveis, realmente vai ficar muito mais difícil o combate a essa epidemia”, avisou.



Fonte: Jornal Nacional



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais