Notícias

Novas pesquisas relatam como a poluição sensorial afeta os animais

Compartilhe:     |  20 de março de 2020

Uma pesquisa de um cientista da Universidade Estadual de Utah revela a presença de “zonas sensoriais de perigo”, nas quais poluentes sensoriais se sobrepõem à atividade animal.

“Do ponto de vista da biologia da conservação, não sabemos como abrandar os efeitos da poluição sensorial se não sabemos qual é o caminho do dano”, diz Neil Carter, professor assistente da Escola de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Universidade de Michigan.

A atividade humana afetou o habitat dos animais de quase todas as formas possíveis. Os sistemas rodoviários cortam o habitat e as luzes à noite imitam ou encobrem a lua e as estrelas. Produtos químicos da indústria ou da agricultura passam para sistemas de água ou flutuam sobre flores que precisam de polinização.

Em seu estudo, Carter e co-autores dão um exemplo do tributo memorial anual de 11 de setembro de Nova York. O tributo coincide com a migração anual das aves das regiões norte para os locais de inverno na América Central e do Sul. Como os pássaros usam “sinais celestes” durante a migração, os 44 focos que formam dois pilares de luz podem atrair até 15.000 pássaros em uma única noite.

“(Os pássaros) voam em círculos dentro das vigas até a manhã seguinte, morrendo frequentemente de exaustão e colisões com estruturas artificialmente iluminadas”, segundo os autores.

Três mecanismos de poluição sensorial

O grupo de pesquisa definiu três mecanismos que afetam a aptidão das espécies – sua mortalidade e capacidade de se reproduzir – através de efeitos fisiológicos e efeitos que causam mudanças no comportamento. Eles chamam esses mecanismos de mascaramento, distração e enganosa.

O mascaramento é o processo pelo qual a poluição sensorial afeta a capacidade de um organismo de detectar ou discriminar um alvo. Distração é quando a poluição sensorial retira a atenção de um animal de sua tarefa em mãos. Enganador é quando um poluente sensorial “guia os animais na direção errada em direção ao alvo errado”.

Tanto o ruído do tráfego quanto a poluição luminosa são exemplos de mascaramento, que ocorrem quando um poluente imita o estímulo ambiental natural. O mascaramento ocorre quando luzes artificiais cobrem o brilho da lua, impedindo que pássaros ou insetos a detectem. O ruído do tráfego é outro exemplo de mascaramento. A freqüência espectral de áudio do ruído se sobrepõe às canções de várias espécies de pássaros, dizem os pesquisadores. A poluição química, como o ácido húmico das águas residuais industriais, pode interferir na capacidade do peixe espada para detectar odores específicos da espécie.

A distração pode ocorrer quando o ruído ou a luz de qualquer frequência ou espectro afasta a atenção de um animal de sua tarefa: um cervo de caça ao puma pode ser distraído por faróis ou ruído da estrada. Uma mariposa pode não conseguir localizar o néctar se houver também um composto químico diferente presente.

Enganar funciona quando um animal reage a um poluente sensorial como se fosse um sinal ou sinal natural, “geralmente levando a um aumento da mortalidade por colisões, exaustão ou predação”, dizem os pesquisadores. Podem ser luzes artificiais que imitam sinais celestes ou baleias-bicudas percebendo o sonar militar como vocalizações de orcas.



Fonte: Anda



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Emocionante: vídeo mostra tartarugas-marinhas sendo salvas por pescadores no litoral catarinense

Leia Mais