Notícias

Novo estudo sugere que primeira guerra entre humanos foi desencadeada por mudanças climáticas

Compartilhe:     |  30 de maio de 2021

Os 61 esqueletos encontrados no Vale do Nilo na década de 1960 poderiam não ser fruto de um massacre pontual, como se pensava anteriormente

Um novo estudo publicado na revista Scientific Reports reexaminou os restos mortais dos 61 esqueletos encontrados no Vale do Nilo na década de 1960 e concluiu que a violência foi esporádica e durou vários anos, desencadeada por grandes mudanças climáticas e ambientais na época. O conflito teria sido motivado por grupos rivais que viviam na região e competiam por alimentos e recursos, que estavam escassos devido a alterações no clima.

O caso é considerado a primeira evidência de guerra organizada entre humanos. No entanto, anteriormente, pensava-se que as mortes teriam ocorrido por um massacre pontual.

61 esqueletos desenterrados na região de Jebel Sahaba — Foto: Arquivo British Museum

61 esqueletos desenterrados na região de Jebel Sahaba — Foto: Arquivo British Museum

Os esqueletos foram desenterrados na região de Jebel Sahaba e apresentaram indícios de violência brutal e intensa. A nova pesquisa encontrou ferimentos curados que não haviam sido documentados antes, o que sugere o acontecimento de múltiplos ataques violentos.

Além disso, quase todos indivíduos apresentaram evidências de trauma, por fratura óssea ou perfuração de armas e 40% tinham lesões curadas e não curadas.

As mudanças climáticas que ocasionaram a guerra aconteceram entre 11 mil e 20 mil anos atrás, no final de um período conhecido como o último máximo glacial, quando as camadas de gelo cobriam grande parte do Hemisfério Norte.



Fonte: Um Só Planeta



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Como não repreender seu cachorro – Dicas de cuidados e educação

Leia Mais