Notícias

Novos prédios em SP precisarão ter estrutura para recarga de carros elétricos

Compartilhe:     |  30 de março de 2021

Lei que entra em vigor em 31 de março também permite que equipamentos sejam alugados

Uma nova lei que entrará em vigor na quarta-feira (31/3) em São Paulo obrigará as construtoras de novos prédios comerciais e residenciais a instalar sistemas de recarga de carros elétricos nos edifícios. De acordo com o UOL, a lei prevê a disponibilização de um ponto de recarga por vaga de estacionamento. A medição do consumo de eletricidade deverá ser feita de maneira individualizada, com a cobrança sendo feita por boleto do condomínio ou por pagamento no ato no caso de edifícios comerciais.

Estima-se que a instalação desses sistemas de recarga varie entre R$ 36 mil e R$ 60 mil em um condomínio de seis prédios, mas a lei também permitirá que esses equipamentos sejam alugados, a depender da demanda por parte de moradores e clientes. Por outro lado, a legislação desobriga as construtoras de instalar esses equipamentos em empreendimentos construídos para habitação popular e de baixa renda.

Por falar em carro elétrico no Brasil, a “Exame” fez uma reportagem sobre o interesse dos consumidores na tecnologia, que cresce a passos mais curtos do que em outros mercados, como Europa e EUA. Dados de uma pesquisa feita pela McKinsey mostram que 48% dos brasileiros dizem considerar seriamente a compra de um veículo elétrico, e 10% afirmam ter planos concretos para adquiri-lo. Em termos de interesse nos veículos elétricos, o entusiasmo do consumidor brasileiro é menor apenas que o do chinês, superando nações como EUA, Alemanha, França e Japão. Os consumidores brasileiros também estariam mais propensos a comprar um carro elétrico por um preço até 20% mais alto que o de um modelo convencional. No entanto, os maiores gargalos no caso brasileiro continuam sendo o preço do produto, muito acima dos veículos equipados com motores a combustão, e a falta de infraestrutura para recarga das baterias.

Em tempo: O “Estadão” traduziu uma reportagem do “NY Times” que mostrou o caso de Heidelberg, uma cidade no sul da Alemanha que virou um case de mobilidade pós-automóvel. Para diminuir o impacto ambiental e climático, as autoridades locais restringiram bastante a circulação de automóveis e adaptaram toda a infraestrutura urbana para priorizar o uso de transporte público, com ônibus movido a hidrogênio, e de bicicletas. Além disso, Heidelberg também está avançando no redesenho de sua organização urbana, de maneira a facilitar trajetos mais curtos por parte de seus moradores, com a oferta de serviços mais próxima de suas residências.



Fonte: Revista Planeta



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Dente-de-leão: uma planta benéfica também para saúde dos cães

Leia Mais