Notícias

O amor proibido entre um gavião e um falcão resultou em um híbrido raro

Compartilhe:     |  31 de julho de 2020

Ela era um gavião preto comum. Ele era um falcão de ombro vermelho. Eles não são do mesmo gênero, muito menos na mesma espécie, e normalmente nem vivem na mesma parte do continente. Graças a uma estranha reviravolta do destino, nada disso importou: foi amor à primeira vista.

Os pesquisadores descobriram que essas aves surpreendentemente distantes na árvore da vida se acasalaram, resultando em raros filhotes híbridos.

Antes de ir adiante, vale explicar que as duas espécies são aves de rapina, mas com estruturas bem diferentes. O gavião é uma ave com porte de médio a pequeno da família Accipitridae, que usa as garras e o bico para se alimentar; enquanto o falcão se diferencia por sua asa pontiaguda, por se alimentar usando apenas o bico e tem porte de médio a pequeno — eles pertencem à família

Em 2005, Stan Moore, um criador de falcões da Fairfax Raptor Research, avistou algo peculiar na Laguna de Santa Rosa, no Condado de Sonoma, Califórnia. Era um gavião preto comum (Buteogallus anthracinus), uma ave de rapina definitivamente não conhecida por habitar o litoral da Califórnia. Normalmente, a espécie fica próxima aos sistemas fluviais da América Central e do Sul, chegando apenas ao interior do sudoeste americano. A população reprodutora mais próxima ficava no sudeste de Nevada, a centenas de quilômetros de distância.

Um falcão negro comum Foto: Gail HampshireUm gavião negro comum Foto: Gail Hampshire

Mas logo ficou claro que esse não era um avistamento único e, com o passar dos anos, o espécime se tornou um residente permanente dos pântanos.

“O Pantanal da Laguna de Santa Rosa é um lugar muito rico, com ótimas oportunidades de alimentação e, portanto, isso pode ser parte da explicação”, disse Jennifer Coulson, ecologista de população na Universidade de Tulane, em Nova Orleans, e presidente da Sociedade Orleans Audubon.

Em 2009, Moore capturou o gavião e o marcou com uma faixa de perna, determinando que era uma fêmea. Foi nessa época que o gavião foi visto realizando demonstrações de acasalamentos no ar visando falcões de ombro vermelho locais (Buteo lineatus). Essas investidas não foram bem-sucedidas, e o falcão negro feminino foi rotineiramente enxotado em nuvens de penas.

O que era compreensível. Os falcões de ombros vermelhos – encontrados no leste da América do Norte e em uma faixa costeira na Califórnia – são totalmente diferentes. Eles são menores que os gaviões pretos comuns e têm plumagem completamente diferente, coloridos com pinceladas enferrujadas e faixas brancas em vez de um preto uniforme ou cinza ardósia.

Um falcão de ombros vermelhos Foto: Kat VitulanoUm falcão de ombros vermelhos Foto: Kat Vitulano

Mas, de acordo com um estudo publicado no Journal of Raptor Research por Moore e Coulson, depois de anos de amor não correspondido, alguém finalmente se entregou. Em 2012, um observador de pássaros viu o que parecia ser um falcão juvenil híbrido seguindo o gavião preto comum. Em 2013 e 2014, o gavivão preto comum foi visto junto com um falcão de ombros vermelhos e, posteriormente, os dois foram vistos acasalando e cuidando de um ninho. Na primavera de 2014, Moore viu seu filhote híbrido.

Como sua mãe, tinha plumagem escura nas costas e era bem grande. Mas sua cabeça era redonda, seu bico era levemente curvo e sua mandíbula estreita; todas características mais parecidas com o pai.

“O gavião preto comum, quando jovem, tem um padrão de rosto realmente impressionante, com muita cor branca ou creme com um marrom escuro marcante”, disse Coulson, acrescentando que o híbrido não tinha esse padrão.

Os híbridos ocorrem regularmente na natureza, mas geralmente são descendentes de espécies intimamente relacionadas do mesmo gênero (como coiotes e lobos – ambos Canis, ou ursos pardos e ursos polares, ambos Ursus). Mas os gaviões pretos comuns e os falcões de ombros vermelhos pertencem a gêneros diferentes – Buteogallus e Buteo, respectivamente. Seu cruzamento é mais parecido com um cruzamento humano com um gorila ou um gato doméstico acasalando com uma onça. A “hibridação intergenérica” é excepcionalmente incomum em geral, e só foi registrada em gaviões e águias selvagens três outras vezes.

O filhote híbrido Foto: Stan MooreO filhote híbrido Foto: Stan Moore

Coulson disse que encontrar esse cruzamento é “um grande feito”.

“Isso não acontece frequentemente com quase nenhuma espécie, especialmente em predadores”, acrescentou, observando que entre os falcões, as fêmeas são o sexo maior e os gaviões pretos são as maiores das duas espécies, então o contraste de tamanho aqui foi grande o suficiente colocar o macho em risco físico significativo.

Há também a questão da compatibilidade biológica.

“A capacidade de hibridar depende da distância genética entre duas espécies”, disse Jente Ottenburghs, ecologista evolucionário da Universidade Wageningen, na Holanda, que não participou dessa pesquisa. “Quanto mais as duas espécies evoluíram separadamente, maior sua distância genética”.

Coulson observou que há cerca de três a quatro vezes a quantidade de separação genética entre as duas espécies parentais do que o que você veria entre espécies estreitamente relacionadas (e com mais frequência cruzadas).

O casal inesperado certamente se deve mais ao pragmatismo do que ao romance: o resultado do desespero por parte do gavião preto, encontrando-se a centenas de quilômetros de distância de outros da sua espécie. Falcões de ombro vermelho podem ter sido a espécie mais próxima de sua lista de contatos normal, então ela foi atrás.

O filhote híbrido mostra uma mistura da coloração juvenil de ambas as espécies. Foto: Stan MooreO filhote híbrido mostra uma mistura da coloração juvenil de ambas as espécies. Foto: Stan Moore

Coulson está curiosa para saber se a composição genética dos híbridos se alinha com sua aparência externa. Uma amostra de sangue foi coletada do filhote de 2014, mas nenhuma análise genética para confirmar o status híbrido foi realizada ainda.

Ottenburghs disse que, se for fértil, o híbrido poderia cruzar com suas espécies parentais, levando à troca de DNA entre as duas espécies.

“Foi o que aconteceu entre humanos e neandertais”, ele disse. “Em alguns casos, os genes trocados podem resultar em uma vantagem adaptativa para uma das espécies. Portanto, a hibridação pode ser um fator importante na evolução”.



Fonte: Gizmodo - Jake Buehler



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

“Comida de humanos” pode até matar os pets! Veja os riscos dessa prática

Leia Mais