Notícias

O aquecimento global pode diminuir a variedade genética de plantas na Europa Central

Compartilhe:     |  8 de setembro de 2019

Mudanças climáticas: Apenas algumas espécies vegetais estão preparadas para o aumento das secas.

As variedades genéticas de plantas na Europa Central podem entrar em colapso devido a temperaturas extremas e secas provocadas pelas mudanças climáticas. De acordo com um novo artigo, apenas alguns indivíduos de uma espécie já se adaptaram a condições climáticas extremas. Esses achados sugerem que a diversidade genética geral das espécies pode ser bastante reduzida. A publicação foi liderada por Moises Exposito-Alonso.

Uma equipe internacional de pesquisadores do Instituto Max Planck de Biologia do DesenvolvimentoUniversidade de TübingenUniversidade Técnica de Madri e UC Berkeley estudou populações da planta de thale cressArabidopsis thaliana, coletadas em mais de 500 localizações geográficas na Europa, comumente usadas para fins biológicos. pesquisa. O cultivo dessas plantas na Espanha e na Alemanha em condições secas revelou como as plantas individuais reagiam ao calor e à seca.

Os pesquisadores estavam particularmente interessados em como a combinação única de mutações genéticas permite que diferentes indivíduos da mesma espécie resistam a climas simulados experimentalmente. Como algumas dessas mutações podem conferir vantagens fisiológicas e o principal objetivo deste estudo foi classificar sua aptidão para a sobrevivência futura da espécie.

Modelos preveem redução no potencial da biodiversidade europeia

Esses dados foram combinados com modelos que preveem como as temperaturas e a precipitação devem mudar geograficamente nas próximas décadas, a fim de entender como a biodiversidade das plantas será afetada pelas mudanças climáticas causadas pela atividade humana.

“Com base em nossos cálculos até 2050, podemos determinar uma mudança significativa nas mutações necessárias para que o thale agrião sobreviva no sul da Europa Central”, disse o primeiro autor Moi Exposito-Alonso. “É notável o quanto indivíduos de diferentes partes da Europa diferem em sua capacidade de suportar futuras condições climáticas ”, acrescentou Detlef Weigel, diretor do Instituto Max Planck, onde o trabalho foi coordenado.

Muitas populações de plantas não sobreviverão

À medida que a precipitação diminui e as temperaturas aumentam, especialmente nas chamadas zonas de transição entre o Mediterrâneo e o norte da Europa, as previsões da equipe indicam que muitas das populações de plantas predominantes no continente não possuem as mutações genéticas necessárias para sobreviver.

Esses padrões podem ser compartilhados entre muitas espécies de plantas da Europa. Embora ainda não exista informação genética para a maioria das espécies, o rápido avanço nos métodos genéticos modernos permite que os pesquisadores obtenham essas informações para mais e mais espécies.

Com essas informações em mãos, será possível melhorar as previsões de onde uma espécie corre maior risco de sofrer as consequências das mudanças climáticas.

Referência:

Moises Exposito-Alonso, 500 Genomes Field Experiment Team, Hernán A. Burbano, Oliver Bossdorf, Rasmus Nielsen, Detlef Weigel
Natural selection on the Arabidopsis thaliana genome in present and future climates
Nature; 28 August, 2019



Fonte: REVISTA IHU ON-LINE - publicada por Max-Planck-Gesellschaft e republicada por EcoDebate - Tradução e edição são de Henrique Cortez



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

5 coisas horríveis que você não sabia que aranhas podem fazer com você

Leia Mais