Notícias

O mundo perderá 10% do gelo da geleira mesmo se atingir as metas climáticas

Compartilhe:     |  2 de maio de 2021

Um décimo do gelo das montanhas do mundo terá derretido até meados deste século, mesmo que a humanidade cumpra os objetivos do acordo climático de Paris, segundo matéria publicada pelo The Guardian. Em algumas áreas particularmente afetadas, incluindo Europa Central, América do Norte e baixas latitudes, a massa das geleiras deve diminuir em mais da metade.

Cientistas disseram que a maior parte desse derretimento, que não inclui a Groenlândia ou a Antártica, é inevitável porque foi travada pelo aquecimento global causado pelos humanos nos últimos anos.

No entanto, eles dizem que as ações que os governos tomam hoje – incluindo os anúncios recentes de metas mais ambiciosas de redução de emissões pelos EUA, Reino Unido e outros – podem fazer uma grande diferença no cenário na segunda metade deste século.

“O que vemos nas montanhas agora foi causado pelos gases do efeito estufa duas ou três décadas atrás”, disse o glaciologista Ben Marzeion, da Universidade de Bremen. “De certa forma, poderíamos ver isso como o dia do juízo final, porque já é tarde demais para impedir o derretimento de muitas geleiras. Mas também é importante que as pessoas estejam cientes de como as decisões tomadas agora podem afetar a aparência do nosso mundo daqui a duas ou três gerações”.

Esses estudos projetaram vários comportamentos possíveis das cerca de 200 mil geleiras de montanha do planeta, dependendo das diferentes vias de emissões e padrões de circulação do clima. Os resultados compilados são considerados a estimativa mais precisa de como as montanhas perderão suas calotas brancas de neve e seus rios de gelo azuis.

Entre 2021 e 2050, Marzeion calculou que a perda de massa média nos vários cenários é de 13.200 Gigatonelada. Isso é equivalente a derreter quase cinco piscinas olímpicas de gelo a cada segundo nos próximos 30 anos.

Cortes agressivos de emissões dificilmente retardariam isso. A diferença entre o melhor e o pior cenário foi de menos de 20%. Os 80% restantes já estão comprometidos.

Isso contrasta com as projeções para a segunda metade do século, quando as decisões tomadas agora farão uma grande diferença. Em um cenário de baixas emissões, projeta-se que a massa da geleira atual diminuirá em cerca de 18% até 2100, o que seria uma desaceleração. Em contraste, em um cenário de altas emissões, a perda aceleraria para chegar a 36%.

Isso tem várias consequências. O degelo das geleiras das montanhas contribui com mais de um terço do aumento do nível do mar, uma contribuição maior do que a Antártica, de acordo com o último Relatório sobre o Estado do Clima Europeu, divulgado na semana passada. Isso está aumentando constantemente o risco de inundações ao longo das regiões costeiras e rios.

Em nível local e regional, também pode reduzir a estabilidade dos sistemas fluviais. Em um nível sazonal, as geleiras alpinas ajudam a regular o abastecimento de água, armazenando a precipitação no inverno e liberando-a no verão.

Os cientistas prevêem que pode haver ainda mais geleiras no mundo em 2050 porque muitos dos grandes corpos de gelo atuais se dividirão em fragmentos menores, mas eles enfatizam que o número e a área das geleiras são menos importantes do que as tendências que afetam a massa e o volume ao longo das décadas.



Fonte: MSN - IstoÉ Dinheiro



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Lei que proíbe piercings e tatuagens em animais é sancionada no Distrito Federal

Leia Mais