Notícias

O pa­ís pre­ci­sa en­con­trar ou­tros des­ti­nos pa­ra o li­xo que pro­duz

Compartilhe:     |  12 de outubro de 2018

Nas­ci e fui cri­a­do na zo­na ru­ral, lo­go ce­do apren­di a im­por­tân­cia da pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te, co­mo al­ter­na­ti­va úni­ca e na­tu­ral pa­ra so­bre­vi­vên­cia dos se­res vi­vos. Na­que­le tem­po, mes­mo sem os co­nhe­ci­men­tos ob­ti­dos nos ban­cos es­co­la­res, eu já ti­nha a con­sci­ên­cia  da ne­ces­si­da­de da pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te, co­mo for­ma ex­clu­si­va de se evi­tar o de­sa­pa­re­ci­men­to dos re­cur­sos hí­dri­cos, fon­tes in­dis­pen­sá­veis à vi­da dos se­res vi­vos. Com o pas­sar do tem­po, com o avan­ço do co­nhe­ci­men­to do ho­mem e com a ga­nân­cia do ser hu­ma­no pe­los bens ma­te­ri­ais, gran­de par­te dos re­cur­sos hí­dri­cos já de­sa­pa­re­ce­ram e o que ain­da res­ta cor­re sé­rio ris­co de ter o mes­mo des­ti­no. Tu­do is­so por con­ta da agres­são sis­te­má­ti­ca do ho­mem con­tra o meio am­bi­en­te. La­men­ta­vel­men­te, o ser hu­ma­no ain­da não se con­sci­en­ti­zou que a água é um bem fi­ni­to e in­dis­pen­sá­vel à exis­tên­cia dos se­res vi­vos.

O Bra­sil é o pa­ís com o mai­or vo­lu­me de água do­ce do mun­do. Tal­vez se­ja por is­so que as pes­so­as mal in­for­ma­das e ga­nan­cio­sas, com o ar­gu­men­to de au­men­tar a pro­du­ção de grãos e ou­tros ali­men­tos, sem ne­nhum cri­té­rio de sus­ten­ta­bi­li­da­de, des­ma­ta, põe fo­go e des­trói, de­sor­de­na­da­men­te, gran­des áre­as de ma­tas e nas­cen­tes de rios e ri­a­chos que es­tão se­can­do em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Na re­gi­ão on­de nas­ci, na re­gi­ão sul do Es­ta­do do Pi­aui, por exem­plo, to­das as nas­cen­tes já se­ca­ram, os ri­a­chos não exis­tem mais e a po­pu­la­ção ru­ral es­tá so­bre­vi­ven­do e cri­an­do os seus ani­mais, gra­ças as per­fu­ra­ções de po­ços ar­te­si­a­nos que a ca­da dia se tor­nam mais di­fí­ceis pa­ra  en­con­trar água em con­di­ções de uso hu­ma­no. As cau­sas des­sa tris­te re­a­li­da­de bra­si­lei­ra é uma só, a agres­são do ho­mem à na­tu­re­za, por meio da des­tru­i­ção das ma­tas e do so­ter­ra­men­to das mi­nas e nas­cen­tes.

A ver­da­de é uma só, em no­me do de­sen­vol­vi­men­to, da bus­ca per­ma­nen­te das con­di­ções pa­ra ali­men­tar a po­pu­la­ção, ali­a­do ao des­com­pro­mis­so de al­guns com as fu­tu­ras ge­ra­ções, des­trói o meio am­bi­en­te, pro­duz li­xo e lan­ça tu­do nos cór­re­gos, nos rios, no mar, e nos gran­des li­xões es­pa­lha­dos pe­lo Bra­sil. Na mi­nha ig­no­rân­cia so­bre o as­sun­to, ape­nas com ba­se no que vi no pas­sa­do e ve­jo no pre­sen­te, se não de­rem ou­tro des­ti­no ao li­xo que pro­du­zi­mos, se con­ti­nu­ar­mos jo­gan­do o li­xo no meio am­bi­en­te e nos cur­sos de água, o Bra­sil vai ter pro­ble­mas gra­ves em pou­co tem­po e vai com­pro­me­ter a vi­da das fu­tu­ras ge­ra­ções. O pa­ís pre­ci­sa en­con­trar ou­tros des­ti­nos pa­ra o li­xo que pro­duz, sob pe­na de, a cur­to pra­zo, con­vi­ver com do­en­ças e fal­ta de água po­tá­vel.

 

(Gercy Jo­a­quim Ca­mê­lo, go­ver­na­dor do Ro­tary In­ter­na­ti­o­nal, Dis­tri­to 4530, Ges­tão 2012-13 e Co­ro­nel da Re­ser­va Re­mu­ne­ra­da da Po­lí­cia Mi­li­tar de Go­i­ás)



Fonte: DM



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Colecionadores de fãs, os siameses são inteligentes, comunicativos e brincalhões. Conheça curiosidades da raça

Leia Mais