Notícias

O perigo dos microplásticos nos esfoliantes para o meio ambiente

Compartilhe:     |  29 de outubro de 2014

Não há nada melhor do que fazer uma esfoliação no rosto depois de um longo dia estressante. Ela ajuda a remover as células mortas e impurezas, deixando a pele com um aspecto mais limpo, saudável e radiante.

Mas você sabia que esses produtos podem ser muitos perigosos e poluentes para o meio ambiente?

Os esfoliantes são compostos por substâncias granulométricas, que são as responsáveis pela esfoliação proporcionada à pele. Mas muitas vezes essas bolinhas coloridas presentes nesses produtos são microesferas de polietileno, e são mais conhecidas como microplásticos – altamente poluentes e que contaminam a água de mares, rios e lagos.

Os esfoliantes são os principais produtos que contêm microplásticos, mas não são somente eles. Infelizmente, as mesmas microesferas podem ser encontradas também em cosméticos, pastas de dente, sabonetes para as mãos e para o corpo.

Todas essas bolinhas quase invisíveis vão parar em rios e oceanos depois de utilizadas. E o que acaba ocorrendo? Pequenos crustáceos e peixes se alimentam delas. O problema é que esses microplásticos absorvem pesticidas e metais pesados, que, quando não matam o peixe asfixiado, podem ir para nas mesas dos consumidores. Pequenos peixes se alimentam dessas microesferas de polietileno; posteriormente, um peixe maior se alimenta do menor que está contaminado, aves se alimentam dos peixes e a contaminação vai se agravando cada vez mais.

As plantas de tratamento de águas residuais não conseguem remover os microplásticos da água?

Infelizmente não! Um estudo realizado por Fendall e Sewell observou que as microesferas são muito pequenas para serem filtradas durante o processo de tratamento da água. Isso significa que elas vão diretamente para o meio ambiente e, uma vez despejadas, dificilmente serão posteriormente retiradas.

Organizações como 5 Gyres Institute vêm trabalhando para advertir e conscientizar a população sobre essa questão. Em 2012, eles coletaram amostras, usando redes especiais de três grandes lagos e encontraram cerca de 600 mil microesferas. As pesquisas continuam para ver o quão contaminada as águas e a vida aquática estão.

Veja o vídeo do teste realizado pela ONG:

Como evitar

Grande parte das marcas mais conhecidas no setor do cosmético convencional possui produtos que contém microesferas. Para identificá-las basta conferir o nome polyethylene ou polypropylene nos rótulos das embalagens.

Existem também aplicativos que identificam os produtos de higiene que contêm microplásticos, facilitando a verificação dos mesmos.

Para as pessoas que não podem viver sem a esfoliação, existem soluções caseiras, como açúcar, sal, café, fubá, que são alternativas mais baratas, menos nocivas e poluentes.

Prefira por utilizar cosméticos naturais e orgânicos que utilizam farelo de arroz, cristais de quartzo, sementes de apricot entre outras opções, no lugar dos microplásticos. As argilas também podem substituir produtos esfoliantes já que possuem as mesmas propriedades.

Entenda mais sobre os problemas dos microplásticos com o vídeo a seguir:

 



Fonte: Revista Ecológico - Ecycle



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Cadela cega explorada para reprodução é salva e se torna amiga de menino com deficiência

Leia Mais