Notícias

O que acontece quando alguém injeta Botox para remover rugas?

Compartilhe:     |  31 de agosto de 2014

Você vê em todos os lugares propaganda de injeções de Botox. “Remove rugas indesejadas.” “Acaba com peles desagradáveis do pescoço”. “Limpa os irritantes pés-de-galinha”. Sim, é verdade, um grande número de pessoas está tomando injeções de Botox para ficar com uma aparência mais jovem.

Uma simples busca na Internet resultará em dúzias de sites contando as maravilhas cosméticas do Botox. Embora o Botox venha sendo usado dessa forma por muitos anos, nos EUA ele só foi aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA) para uso cosmético em abril de 2002 (ele foi aprovado para alguns tratamentos em 1989). Botox é a marca registrada para toxina botulínica A. Portanto, o botox é relacionado ao botulismo.

O Botulismo é uma forma de envenenamento alimentar que acontece quando alguém come alguma coisa que contenha uma neurotoxina que é produzida pela bactéria Clostridium botulinum.

O sintoma mais grave do botulismo é a paralisia, que, em alguns casos, provou ser fatal. As toxinas botulínicas (existem várias – os principais tipos são de A a F) aderem aos terminais nervosos. Uma vez que isso aconteça, a acetilcolina, neurotransmissor responsável por desencadear contrações dos músculos, não pode ser liberada. Em última análise, as toxinas botulínicas bloqueiam os sinais que normalmente dariam ordem para que seus músculos se contraíssem. Digamos, por exemplo, que elas ataquem os músculos do seu peito – isso poderia ter profundo impacto na sua respiração. Quando as pessoas morrem de botulismo, freqüentemente essa é a causa – os músculos respiratórios são paralisados e elas não podem mais respirar.

Neste ponto você deve estar se perguntando por que uma pessoa poderia querer uma toxina botulínica injetada em seu corpo. A resposta é simples: se uma área do corpo não pode se mover, ela também não pode enrugar.

Uma simples busca na Internet resultará em dúzias de sites contando as maravilhas cosméticas do Botox. Embora o Botox venha sendo usado dessa forma por muitos anos, nos EUA ele só foi aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA) para uso cosmético em abril de 2002 (ele foi aprovado para alguns tratamentos em 1989). Botox é a marca registrada para toxina botulínica A. Portanto, o botox é relacionado ao botulismo.

O Botulismo é uma forma de envenenamento alimentar que acontece quando alguém come alguma coisa que contenha uma neurotoxina que é produzida pela bactéria Clostridium botulinum.

O sintoma mais grave do botulismo é a paralisia, que, em alguns casos, provou ser fatal. As toxinas botulínicas (existem várias – os principais tipos são de A a F) aderem aos terminais nervosos. Uma vez que isso aconteça, a acetilcolina, neurotransmissor responsável por desencadear contrações dos músculos, não pode ser liberada. Em última análise, as toxinas botulínicas bloqueiam os sinais que normalmente dariam ordem para que seus músculos se contraíssem. Digamos, por exemplo, que elas ataquem os músculos do seu peito – isso poderia ter profundo impacto na sua respiração. Quando as pessoas morrem de botulismo, freqüentemente essa é a causa – os músculos respiratórios são paralisados e elas não podem mais respirar.

Neste ponto você deve estar se perguntando por que uma pessoa poderia querer uma toxina botulínica injetada em seu corpo. A resposta é simples: se uma área do corpo não pode se mover, ela também não pode enrugar.

Possíveis efeitos colaterais

Outras aplicações para o Botox estão atualmente sob investigação. Foi relatado que a disfonia espasmódica, um distúrbio neurológico que afeta os músculos da laringe, responde bem ao tratamento com Botox. Tem sido usado também para tratar outras distonias, tais como cãibras de escritores, bem como espasmos faciais, tremores da cabeça e pescoço e hiperhidrose (suor excessivo).

 

 



Fonte: Howstuffworks



Leia também:

Projetos ambientais
Aqui você é o Reporter

Espaço Animal

Aromaterapia para cães tem vantagens, mas exige conhecimento

Leia Mais